Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

«Reiki & Terapias Orientais»

Aqui divulgo Terapias energeticas e/ou holísticas, evolução do Ser e crescimento pessoal. Autor do livro "Partilhas de um Ser" «Mestre de Reiki e Karuna». Tratamentos, Cursos e Workshop's

Aqui divulgo Terapias energeticas e/ou holísticas, evolução do Ser e crescimento pessoal. Autor do livro "Partilhas de um Ser" «Mestre de Reiki e Karuna». Tratamentos, Cursos e Workshop's

«Reiki & Terapias Orientais»

23
Jul07

Amor e Liberdade - Valores inseparáveis !

Viktor

" Falar de Vénus é falar do Amor, é falar da Vida. É falar da aprendizagem do amor, na Vida.

Sempre muito se diz sobre o amor. Amor como algo desejado, plenitude, felicidade maior, infelicidade : amor como dor, drama a ser vivido...

No entanto, poucos sabem do amor. Do amor como frequência mais " alta ", como vibração unitária do mundo, a " Nota chave " do Universo.

Não se nasce a saber amar. Todos necessitamos de actualizar a sua aprendizagem. É a nossa Humana condição.

Amar é um alto nível de consciência atingido, através de um lento e doloroso processo de ascenção...

Não se pode falar de Vénus sem Marte, Marte identifica-se com o desejo. Numa primeira fase, Marte é irracional, enquanto desejo instintivo e onde há desejo, há sempre uma insatisfação que o origina. Pode dizer-se que Marte é " filho das Trevas ".

Vénus é o dia que Marte encontra, se encontra. Vénus é a primeira luz, nas Trevas do nosso Ser interno, a primeira emoção da unidade.

O desejo sempre anima o Amor-a-dois. Vénus não pode dissociar-se da força obsessiva e obscura que Marte activa. Vénus é o acréscimo de Vida que Marte deseja. É o que " falta " a Marte, e lhe estimula a afirmação.

As personalidades, numa etapa menos evoluída, sempre teimam em confundir Amor com desejo. Chamam Amor a todas as formas de projecção psíquica, por carência ou insatisfação. Confunde a abundância de Vida que é o Amor, com o grande vazio interior.

Cumprir o nosso projecto sobre a Terra é viver este " drama emocional ", aceitar a violência das suas contradições, até sermos capazes de encontrar uma nova e regenerada condição.

Vénus-Marte para isso nos encaminham. Temos de viver o que a Vida nos traz como experiência, o que atraímos por ressonância. Tudo o que nos pertence como experiência, há que ser plenamente vivenciado. Ilusões e desilusões, Uniões e desuniões, lágrimas e momentos de plenitude. 

Para que além de todas as tristezas e alegrias, projecções, entusiasmos, expectativas e sofrimentos através dos quais o Tempo nos conduz, possamos progressivamente um dia encontrar o que não ilude nem desilude.

A dimensão inteligente de Vénus vai-se tornando progressivamente mais inteligente. Ou seja, vai-se " emancipando " da carga irracional do desejo instintivo. Vai " subindo " em subtileza e Liberdade.

O que infelizmente se verifica nos Tempos de hoje é que a maioria das pessoas vive Marte sem Vénus, o desejo sem Amor.

As pessoas elegem porque desejam não porque valorizam. Chamam isso de " Amor ".

Muitas vezes existe a necessidade de possuir e controlar o outro, de quem esperamos o " mais " que a Vida nos oferece. O outro, nas mãos de quem depomos a nossa Liberdade e o nosso Poder, esse outro, que ilusoriamente identificamos com segurança e felicidade.

Obviamente, isso é um grande equívoco. Equívoco que se paga a alto preço, o preço a que vulgarmente se chama dor-de-amor !

Ninguém pode preencher, a não ser provisória e aparentemente, o nosso " vazio interior ". Não temos como manter a segurança nos relacionamentos. Ninguém " segura " nada, porque não tem por onde segurar...

Quando duas pessoas se separam, deviam saber não " dramatizar ". A separação consiste apenas em " criar espaço ". " Espaço de respiração " que permita a cada um viver outras experiências, adquirir mais Liberdade e autonomia para melhor se conhecer e encontrar. Nestes casos, ao contrário do que é comum, deveria haver grande respeito e mútuo agradecimento por esta oportunidade de Vida nova.

Não é dizer : " Ah, eu enganei-me naquela relação. " Eu não me enganei em relação nenhuma, vivi exactamente a relação que tinha de viver. Justo aquela relação e não outra qualquer.

Todas as relações de amor a dois tendem para a Liberdade. Para a Liberdade partilhada, a Liberdade-em-comum.

Liberdade onde já não há dependência recíproca, onde já não há " medo de perder " ninguém, onde já não há necessidade de " manipular psiquicamente " o outro, para que ele me dê a segurança emocional que preciso, e que me acho no " direito de exigir " que ele me dê...onde há medo não há amor.

A ideia de que resolvo o meu " vazio existencial " através de alguém que julgo amar é uma ilusão. Ainda por cima violentando esse alguém. Agredindo-o, fazendo-lhe o que vulgarmente se chama " cenas ". Obrigando-o a ser o que não é, para que eu possa ser o que não sou.

Entender este equívoco, tão comum nas relações ditas amorosas, é perceber como devemos enfrentar os nossos medos. Para que os relacionamentos já não nasçam do medo, da Solidão. Só assim eles podem ser perenes e traduzir o bem-estar da verdadeira comunicação.

Tenho primeiro que me absolver, que " limpar " algum sentimento de culpa que trago do Passado. Até me aceitar incondicionalmente. Até voltar a ser receptiva e vulnerável. Só assim o Amor é possível.

No momento em que for capaz de dar, dar fisicamente, emocionalmente ou espiritualmente aos outros, no momento em que for capaz de acrescentar " mais Vida " a alguém, nesse momento, não estou mais só, nunca mais.

Neste sentido, o Amor é o encontro do Ser consigo, através do outro a quem ama. Se eu souber pôr-me em causa, se aceitar aprender, não irei mais cometer o mesmo equívoco, e projectar-me pelas mesmas razões. Já vou querer outra coisa, de outra maneira.

Se eu não percebi o porquê do desentendimento, então vou atrair uma outra pessoa, pelas mesmas razões que atraí na experiência anterior.

Então, repete-se o mesmo " filme ", filme que me faz viver exactamente o mesmo tipo de desencontro que forçosamente irá " acabar " exactamente da mesma maneira.

É necessário: Aprendermos a dar e receber, sem cobrar o prazer de partilhar quem somos, a dar e receber sem exigir coisa alguma. Aí, vibramos na verdadeira energia do Amor. Identificamo-nos com a qualidade de Vénus. Libertamo-nos do condicionalismo de Marte. Aprendemos uma lição-de-amor.

 

Maria Flávia de Monsaraz

in " Vénus - o gérmen da vida, da forma e do Amor "

 

Célia Casaca

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Local/Contacto:

Portugal - Cursos, Palestras, Partilhas & Workshop's. mail: mestreviktor@gmail.com Fundador do Projecto Social "REIsocialKI®" & Autor do Livro: "Partilhas de um Ser" - APR

Autor do Livro "Partilhas de um Ser"

Links

FÓRUM DO BLOG

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D