Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

«Reiki & Terapias Orientais»

Aqui divulgo Terapias energeticas e/ou holísticas, evolução do Ser e crescimento pessoal. Autor do livro "Partilhas de um Ser" «Mestre de Reiki e Karuna». Tratamentos, Cursos e Workshop's

Aqui divulgo Terapias energeticas e/ou holísticas, evolução do Ser e crescimento pessoal. Autor do livro "Partilhas de um Ser" «Mestre de Reiki e Karuna». Tratamentos, Cursos e Workshop's

«Reiki & Terapias Orientais»

25
Nov10

A Imortalidade do Ser...

Viktor

Caros Irmãos,

         Cada um de vós vive presencialmente na Terra mas efectivamente pertence a dois mundos (visível e invisível). A nossa ligação ao mundo visível é feita através do corpo físico e ao invisível através do corpo etéreo. Assim podem constatar que o sono é a separação temporária entre estes dois mundos e a morte a separação definitiva (nesta vida). Dessa forma verificamos que a Alma quando se separa do corpo físico, concentra-se no nosso corpo etéreo, logo, a vida para lá da morte é simplesmente a mudança de estado através da libertação da parte invisível do nosso Ser.

         Esta verdade e realidade foi durante muito tempo oculta por religiões e filosofias, que nos foram transmitindo e incutindo dados pouco concretos no que toca a estes problemas, dados esses desprovidos de controlo e confirmação e quase na sua totalidade opostos à ideia de continuidade e evolução dos mundos. Por outro lado temos a ciência, que ao longo dos tempos foi estudando o Ser humano terrestre, no que diz respeito à sua componente física, mas essa é apenas uma das partes da integridade do Ser e não o seu todo. Relativamente ao corpo etéreo, coisa que o cérebro físico não tem consciência, tem sido muito ignorada ao longo dos tempos. Por isso sempre foi impotente na resolução do problema da sobrevivência do Ser, uma vez que apenas a parte etérea é que sobrevive. A ciência não compreende o conjunto de manifestações psíquicas que se dão no sono, no desprendimento ou na exteriorização, cada vez que a Alma se escapa para a vida superior. Assim, apenas com a constatação deste facto nesta vida, é que podemos ter uma visão e conhecimento positivo da natureza do nosso Eu, da imortalidade e das condições da sua existência no plano invisível ou além. Apenas a experiência poderia resolver esta questão, estudando o homem actual para nos tentarmos esclarecer sobre o homem futuro, sem saída para o pensamento humano que a ciência, a religião e a filosofia, nas suas incapacidades, o encurralaram no materialismo. Esse seria o preço da salvação social, mas o materialismo apenas conduziria a anarquia dos povos e sociedades.

         Foi através do estudo da espiritualidade que o problema da sobrevivência passou a entrar nos domínios da observação científica e rigorosa. Este foi um grande passo, pois em vez de se cavar um fosso, veio estabelecer-se uma solução de continuidade entre as formas de vida terrestre e celeste, visível e invisível. A preexistência da vida, mantendo todos os seus atributos (memória, inteligência e faculdades afectivas) foram recolhidas em vários pontos do planeta através de experiências e estudos efectuados por sociedades de estudos psíquicos dos mais variados países.

         Os espíritos dos Seres desencarnados (mortos) manifestam-se aos milhares, manifestando características da sua vida terrena (aspecto físico e vestes) nos fenómenos de materialização, ou dizendo coisas intimamente pessoais para que o receptor constate a veracidade do espírito ali presente. Ao longo desse tempo esses espíritos, através dos meios que estavam ao seu alcance, foram facultando informações acerca da vida para lá da morte e até mesmo das leis cósmicas universais que regem o universo, deixando ficar muitos desses ensinamentos através da psicografia. Mesmo sem a manifestação dos mortos, estas manifestações já se podiam verificar nas experiências através do desdobramento dos vivos, dando-nos a conhecer um mundo invisível.

         Pode-se então concluir que o nascimento é o fenómeno da morte da Alma, ficando enclausurada dentro do envoltório carnal (corpo). Desta forma aquilo que você define como morte é simplesmente o retorno da Alma (espírito) à liberdade, depois de se ter enriquecido ou não no decurso da vida terrestre. Os sonos são também pequenas fugas ou retornos à vida no mundo invisível. A morte é uma fuga, mas por tempo indeterminado. Espero ter ficado esclarecido sobre o quão imortal é.

Saudações Holísticas

NAMASTÊ

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Local/Contacto:

Portugal - Cursos, Palestras, Partilhas & Workshop's. mail: mestreviktor@gmail.com Fundador do Projecto Social "REIsocialKI®" & Autor do Livro: "Partilhas de um Ser" - APR

Autor do Livro "Partilhas de um Ser"

Links

FÓRUM DO BLOG

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D