Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

«Reiki & Terapias Orientais»

Aqui divulgo Terapias energeticas e/ou holísticas, evolução do Ser e crescimento pessoal. Autor do livro "Partilhas de um Ser" «Mestre de Reiki e Karuna». Tratamentos, Cursos e Workshop's

Aqui divulgo Terapias energeticas e/ou holísticas, evolução do Ser e crescimento pessoal. Autor do livro "Partilhas de um Ser" «Mestre de Reiki e Karuna». Tratamentos, Cursos e Workshop's

«Reiki & Terapias Orientais»

07
Fev14

Reflexão: Espelhos da vida…

Viktor

Caros leitores,

     Ao longo da nossa caminhada, vamos construindo algumas coisas e destruindo outras, é o processo natural do desenvolvimento do ser humano. Conforme vamos tendo mais idade é natural que cada vez mais construímos e cada vez menos destruímos, segundo a natural lei e ordem da evolução da espécie. Mas na realidade a nossa vida é repleta de espelhos e até de simbologias associadas a espelhos, em várias décadas e pontos do globo. Veja-se neste pequeno texto extraído da edição on-line da Porto Editora:

“O espelho é um símbolo da pureza, da verdade e de sinceridade. Traduz o verdadeiro conteúdo dos corações dos homens e também o da sua consciência. O espelho é também um sinal de sabedoria, conhecimento e iluminação nas tradições orientais…

O espelho é utilizado no julgamento das almas dos mortos na tradição indo-budista. Nas lendas e histórias de fadas, os espelhos mágicos têm uma função adivinhatória de prever o futuro… A tradição dos espelhos mágicos é muito antiga e remonta muito provavelmente à antiga Pérsia. Dizia-se que Pitágoras sabia ver o futuro através dos espelhos. Na Ásia, os espelhos são utilizados nos rituais de feitiçaria para adivinhação, virando-os para o Sol ou para a Lua para ler o futuro. Na tradição hinduísta e budista, o espelho tanto é associado ao Kharma, à lei universal, como ao Dharma, a lei dos homens. No budismo praticado no Tibete, o espelho demonstra a verdade suprema e a inutilidade do mundo das formas, traduzindo a verdadeira natureza de Buda. Na tradição mitológica do Japão, o espelho espalha a luz divina sobre o mundo. Na Índia de tradição védica, o espelho assume todas as formas através de uma miragem proporcionada pela luz solar e exprime a sua natureza mutável e perene. O espelho é um símbolo solar, na medida em que reflete a inteligência suprema, mas também é um símbolo lunar, porque a lua funciona como um espelho da luz do Sol. Na China, para além de lunar e feminino, o espelho é o símbolo da rainha, da harmonia e da união conjugal. Platão comparava a alma a um espelho, no que foi seguido por alguns padres da Igreja. Entre os sufis do Islão, o espelho exprime o medo que os seres humanos têm de se conhecerem a si próprios. O termo especular, que resultou do latim speculum, começou por significar a observação do céu e dos movimentos dos astros com a ajuda de um espelho. Nos jardins árabes, os lagos eram comparados a espelhos.”

     Como podem verificar, a importância e utilidade dada aos espelhos difere de zona para zona ou de região para região. Mas na realidade a minha reflexão prende-se com outro tipo de espelhos, aqueles que deram origem à célebre expressão: “As costas dos outros são os nossos espelhos”. Sem dúvida que esta expressão é muito verdadeira, pois todos os seres humanos têm uma tendência inata para julgar e criticar o próximo, o que não passa de uma manobra psicológica, fazendo com que foquemos os pensamentos na “dita” pessoa. Aproveito para lhes relatar um caso que se passou comigo: Um certo dia, no meu local de trabalho estavam 2 pessoas no fundo do corredor a falar, sendo que uma delas estava a criticar (ou cortar na casaca) de outra pessoa e eu ia ouvindo a conversa até que passei junto dessas duas pessoas. Achando incorrecto aquilo que estavam a fazer parei (entretanto a pessoa que estava a falar calou-se) e eu disse a essa pessoa: “Nunca te ouvi falar tão bem de ti mesma. Parabéns pela tua coragem ao estares a partilhar os teus defeitos com outra pessoa”; A pessoa ficou estática a olhar para mim, despedi-me dizendo: “até logo” e segui o meu caminho. Enfim, o ser humano é mesmo assim, como manobra de defesa psicológica o ser humano aponta (além de ser feio apontar, quando o fazemos temos 3 dedos a apontar para nós) para outros com o receio de lhe “descobrirem a careca” pois todas as pessoas querem mostrar só as suas boas coisas, ocultando as menos boas que acabam por apontar aos outros. É difícil superarmos as coisas menos boas em nós, mas conseguimos se formos persistentes e acreditarmos que vamos conseguir. Na verdade por mais que tente esconder essas coisas, no dia da sua partida (morte) perante o seu “juízo final”, terá de enfrentar todas essas questões menos positivas que você tão bem conhece, que jamais poderá ocultar do Criador (Deus). Seja mais positivo, aceite-se como é com as suas virtudes e defeitos, e tente ajudar-se a si mesmo, deixando de andar por ai armado em Juiz e carrasco dos outros, porque isso já você o é, mas apenas e só de si mesmo. Assuma uma atitude mais positiva deixando de criticar negativamente, para passar a criticar de forma positiva e construtiva, e repare como vai mudar o mundo à sua volta. Termino deixando-os em paz, harmonia e com muito amor incondicional.

NAMASTÊ

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Local/Contacto:

Portugal - Cursos, Palestras, Partilhas & Workshop's. mail: mestreviktor@gmail.com Fundador do Projecto Social "REIsocialKI®" & Autor do Livro: "Partilhas de um Ser" - APR

Autor do Livro "Partilhas de um Ser"

Links

FÓRUM DO BLOG

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D