.Já em Agenda

*Cursos de Reiki e Karuna de Todos os níveis*-*Workshop's de Técnicas de Reiki*
Domingo, 3 de Fevereiro de 2013

Frank Arjava Petter em Entrevista

Ensina Reiki a muitos alunos espalhados por todo o mundo. Qual é a sua percepção e opinião acerca da difusão que actualmente se verifica desta terapia complementar?

As pessoas são iguais em toda a parte. Todos nós sofremos da mais fatal de todas as doenças: não sabemos quem somos. Consciente ou inconscientemente, as pessoas são atraídas para o Reiki porque intuem que o mesmo pode curar essa doença. A palavra Reiki originalmente significa “energia da alma”. Para o Xintoísmo, a alma reside no centro do nosso cérebro, onde os chacras da coroa e da terceira visão se encontram. Este centro está naturalmente ligado à fonte cósmica. Todavia, no decurso da evolução ficámos cada vez mais centrados no nosso ego e, assim, perdemos a nossa ligação com o divino. Numa sintonização de Reiki (em japonês Reiju, que significa literalmente “dar ou conceder a alma”), correctamente realizada, este centro é despertado do seu sono profundo e o iniciado volta a ligar-se ao Universo. Uma vez conectado, cabe a ele permitir que o Reiki purifique o seu coração e a sua mente. É isto que todas as pessoas têm em comum: todos aspiramos por unidade, amor e contentamento. E o Reiki permite isto. Tudo o que você tem de fazer é dizer Sim!

Já esteve em Portugal anteriormente com o objectivo de ensinar Reiki. Qual é a sua perspectiva em relação à prática no nosso país?

Fiquei com a ideia de que os portugueses têm um coração aberto, são sequiosos por aprofundar os seus conhecimentos sobre Reiki e que estão cansados de professores que não vivem de acordo com o que ensinam. Pareceu-me que vocês aspiram por uma atitude de amor e bondade, livre de julgamentos, o que coincide com o verdadeiro espírito do Reiki.

As suas investigações são famosas e todos lhe devemos os conhecimentos que trouxe até nós sobre o Reiki tradicional. Será que nos pode explicar o que tem andado a pesquisar recentemente?

O Reiki teve início com a iluminação que Sensei Usui experimentou no Monte Kurama em Março de 1922. Quando regressou à vida normal procurou transportar consigo essa iluminação naquilo que veio depois a ensinar. Assim, quanto mais percebermos sobre aquilo que Sensei Usui ensinava, maiores serão as probabilidades de que a semente da iluminação entre nos nossos corações. O Reiki não se trata de curar uma dor de cabeça. Se fosse só isso, seria melhor tomar uma Aspirina! Reiki é sobre transformação, auto-realização e tornarmo-nos unos com o Universo. Esta é a razão por que eu passei 20 anos da minha vida a investigar o Sensei Usui e o seu trabalho.

Qual pensa que deve ser o caminho certo para se conseguir a profissionalização de terapeutas e mestres?

Sugiro que nos sentemos todos juntos para decidirmos sobre padrões mínimos de ensino, os quais poderemos depois entregar os nossos governos para que aprovem. Também defendo que ensinar todos os níveis num único fim-de-semana, adicionar novos símbolos ou fazer sintonizações à distância, entre outras práticas, são coisas que devem ser descontinuadas. O Reiki é impressionante na sua simplicidade e clareza, e seria uma pena torná-lo complicado apenas porque as nossas mentes não conseguem relaxar ao colocar as mãos em alguém e esquecer tudo o resto. Agora sabemos o que tanto o Sensei Usui como o Sensei Hayashi ensinavam e isso deve ser a nossa norma de orientação.

Não vê, então, como importante a evolução do Reiki através de novas técnicas e outros conhecimentos?

Existem muitos “tipos” de Reiki que eu não considero como sendo Reiki de forma nenhuma. Se alguém descobre uma nova técnica, ou desenvolve um novo trabalho energético, porque é que lhe vai chamar Reiki? Por que é que não lhe dá um nome diferente? Parece-me que há aqui razões financeiras.

De acordo com a minha experiência, a evolução do Reiki acontece nas mãos do praticante. Se alguém coloca todo o seu coração no Reiki, devotando-se inteiramente à prática como se a sua vida dependesse disso, então o Reiki irá purificar o seu coração e transformá-lo. A transformação é a única mudança que vale a pena.

Claro que é possível que alguém se depare com uma nova técnica que se revela útil. Nesse caso eu sugiro que a pratique sozinho durante um ano ou dois e só depois deverá partilhar, mas começando por amigos próximos em primeiro lugar; estes depois verão se a técnica resulta para eles e, se assim for, então poderá ser útil a outros. Mas quando esta técnica for ensinada sugiro que o professor fale aos alunos sobre a sua origem, deixando claro que não faz parte do Reiki tradicional.

Na sua opinião quais são as principais diferenças entre as práticas do Mestre Mikao Usui e do Mestre Hayashi?

As diferenças são muito poucas. Se olharmos para os certificados de Reiki que o Sensei Hayashi passava encontramos lá escrito “Shin Shin Kaizen Usui Reiki Ryoho”, o que significa “para a melhoria do corpo e da mente/espírito Usui Reiki Ryoho”. Se ele tivesse alterado a técnica ter-lhe-ia chamado Reiki Hayashi. Mas essa não é uma prática que se coadune com os valores tradicionais de um japonês. Com amor e respeito pelo seu professor, ele ensinou exactamente o que aprendeu, sem alterar. Na nossa cultura ocidental, a coisa mais importante é o “Eu”, a personalidade, o ego. Queremos ser os melhores, os primeiros, estar no topo. O Oriente não conhece esta doença. O facto de que alguém possa alterar o processo de sintonização, ou invente um novo, é impensável de um ponto de vista tradicional pela simples razão de que isto aponta para uma única coisa: para o ego.

Contudo, foram feitos alguns ajustes menores. Sensei Hayashi era médico e se nós compararmos o manual que ele dava aos seus alunos com o de Sensei Usui verificamos que há ligeiras diferenças. Por exemplo, Sensei Usui sugeria o tratamento de certas vértebras enquanto Sensei Hayashi se focava mais nos órgãos internos.
Aqueles que fazem tratamentos com frequência irão achar que Sensei Hayashi desenvolveu o seu estilo individual de tratar os seus clientes. O único aspecto técnico que Sensei Hayashi mudou foi o uso de mesas de massagem (denominadas Reiki Dai) enquanto Sensei Usui trabalhava no chão, em tatamis. Todas as outras alterações foram introduzidas pela Sensei Takata e seus estudantes. Na verdade, aquilo que a Sensei Takata ensinava estava muito perto do que eu aprendi com Chiyoko Yamaguchi, portanto, temos de afirmar que provavelmente a maior parte das diferenças foram da responsabilidade dos alunos da Sensei Takata. Isso explica o grande fluxo de pensamentos new agepara dentro da prática de Reiki, nenhum dos quais lhe pertencia originalmente.

Actualmente, de que forma os japoneses vivem, praticam e ensinam Reiki? É muito diferente da forma como nós, ocidentais, o fazemos?

A maneira tradicional implica diferenças de filosofia, bem como de prática, e para responder a esta questão de maneira satisfatória eu levaria dias! Deixe-me responder de forma concisa. Muitos japoneses praticantes de Reiki aprenderam Reiki na linhagem Takata. Um japonês que aprenda Reiki tradicional irá estabelecer um compromisso de vida trabalhando consigo próprio. Irá abraçar os Gokkai e integrá-los na sua vida. Ele irá praticar fazendo tratamentos diligentemente e irá perceber que aprende com cada um dos seus clientes. Vai manter uma “mente de principiante” em cada momento da sua vida e vai-se esforçar por realizar o seu potencial. Vai aprender a observar o processo de cura do corpo do cliente com as mãos, praticando a arte do Byosen. Ele sabe que a arte secreta da felicidade é viver uma vida de amor e compaixão misturada com consciência. Assim, as bênçãos que ele experimentar irão irradiar a partir do seu Ser e afectar todos os que o rodeiam.

Podemos esperar para breve novos livros seus traduzidos para português?

O meu livro mais recente — “This is Reiki” – já foi traduzido para português do Brasil e deverá ser publicado em breve. Podem esperar passar alguns dias ou noites divertidos a lê-lo… trata-se da minha canção de amor ao Reiki e o culminar de todo o meu trabalho.

Fonte: APR

Saudações Holísticas

NAMASTÊ

Publicado por Viktor às 23:24
Link | Comentar | favorito
Terça-feira, 30 de Junho de 2009

Sentir Reiki

Publicado por Viktor às 13:32
Link | Comentar | favorito
Domingo, 14 de Junho de 2009

BORISKA, O Garoto Índigo

Boris Kipriyanovich, ou Boriska, hoje [2008] um adolescente, há anos que aparece em jornais, revistas e documentários do mundo inteiro. Ele é considerado um dos mais destacados seres humanos de uma nova geração, que já está amplamente conhecido como índigo-children, dotados de faculdades especiais, como um alto grau de inteligência e surpreendentes conhecimentos sobre o Universo, extraterrestres, o passado arcaico da Terra, mistérios da antiguidade e futuro do planeta. Boriska nasceu em 11 de janeiro de 1996 e desde os quatro anos mora na cidade de Zhirinovsk da região Volgograd, Rússia. Costuma visitar um local próximo à sua cidade, a montanha Medvedetskaya Gryada, considerada “zona anómala”. Ali, o garoto encontra o ambiente ideal para o que ele chama de reposição das suas energias.

Os seus pais, gentis, educados e hospitaleiros, ficaram preocupados com os fascinantes talentos do filho. Eles temem que Boriska tenha dificuldades de convívio social quando se tornar um adulto. A mãe conta que o menino conseguia sustentar a própria cabeça com apenas 15 dias de vida. Começou a falar aos quatro meses e com um ano e meio já lia os jornais. Aos dois anos, no jardim-de-infância, os professores perceberam que ele era diferente: aprendia tudo rapidamente e tinha uma memória extraordinária.

Mais ainda, Boriska mostrava conhecimentos que não eram adquiridos na escola, sobre outros mundos, planetas desconhecidos. A sua mãe conta: “Muitas vezes ele senta-se em posição de lótus e começa a falar detalhadamente sobre o planeta Marte, sistemas planetários e outras civilizações”. O espaço cósmico é uma dos temas favoritos de Boriska. Afirma que viveu em Marte e diz que o planeta é habitado, embora tenha, já uma vez, perdido a sua atmosfera depois de uma enorme catástrofe. Hoje, segundo o índigo-boy, os marcianos vivem em cidades subterrâneas.

Lembrando uma vida passada, Boriska afirma que costumava visitar a Terra pilotando uma nave espacial. Naquele tempo, a Terra era dominada pela civilização Lemuriana cujo declínio, que ele testemunhou e foi causado pela degradação espiritual daquela Humanidade. A mãe deu-lhe o livro Whom We Are Originated From [mais ou menos traduzível como De Quem Nós Fomos Originados], de Ernest Muldashev, ele ficou muito entusiasmado com as descrições dos Lemurianos, as imagens dos templos tibetanos e passou muitas horas a falar com os pais sobre a Lemúria, o seu povo e cultura. Segundo Boriska, os lemurianos dominaram a Terra à 70 mil anos e eram gigantes de 9 metros de altura. Perguntado sobre como sabia tais coisas, respondeu: “Eu lembro-me, eu vi”.

Sobre um segundo livro de Ernest Muldashev, In Search of the City of Gods [ Em Busca da Cidade dos Deuses], mais uma vez olhando as figuras, comentava sobre as pirâmides, os santuários e revelou: “As pessoas não vão encontrar os conhecimentos antigos embaixo da Grande Pirâmide de Quéops [Egito]. Esse conhecimento está oculto no subterrâneo de uma outra pirâmide que ainda não foi descoberta e acrescentou: “A Humanidade vai se surpreender e até mudar quando conseguirem abrir a Esfinge; há um mecanismo de abertura em algum lugar atrás de uma orelha, não me lembro exactamente onde”.

Boriska também adverte sobre uma alteração dos pólos magnéticos da Terra que, em breve, causará duas catástrofes: uma em 2009; outra em 2013. Poucas pessoas sobreviverão; e fala sobre a morte: “Não, eu não tenho medo da morte porque nós vivemos eternamente. Houve uma catástrofe em Marte, onde eu vivia. Ainda há pessoas que vivem lá. Houve uma guerra nuclear e tudo ficou em cinza. Mas eles construíram abrigos e criaram novas armas. Os marcianos, em geral, [não se sabe o quê ele quer dizer com 'em geral'], respiram dióxido de carbono. Se viajassem para outro planeta [como a Terra] teriam de se manter vivos usando respiradouros adequados [standing next to pipes and breathing in fumes]”.

Perguntaram, [tolamente] a ele: Se você é de Marte, você precisa de dióxido de carbono? Resposta: “Se eu estou neste corpo [terreno] eu respiro oxigénio” [o quê é óbvio! no contexto...] . Mas você sabe, isso causa envelhecimento. Especialistas perguntaram ao jovem por quê naves da Terra frequentemente avariam/partem ou são desactivadas quando se aproximam de Marte. Ele explicou: “Os marcianos transmitem sinais especiais que danificam naves, estações e/ou sondas que emitem radiações”. Boriska tem dificuldades com escolas. Fez uma entrevista e foi colocado no segundo grau porém logo quiseram livrar-se dele: constantemente interrompia os professores apontando-lhes erros. Agora ele estuda com um professor particular.

FONTE: Boriska, boy from Mars, says that all humans live eternally

PRAVDA ENGLISH - publicado em 05/03/2008 tradução: Lígia Cabús

LINK RELACIONADO: BORISKA: O MENINO QUE VEIO DE MARTE

Saudações Reikianas.

NAMASTÉ

Publicado por Viktor às 17:04
Link | Comentar | ver comentários (5) | favorito
Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008

Entrevista a um Arquitecto Reikiano e sua mãe

Publicado por Viktor às 11:25
Link | Comentar | favorito
::: GUESTBOOK :::

.Autor do Livro "Partilhas de um Ser"

.Eu

.Local/Contacto:

«Albufeira, Estremoz e Guarda». Cursos, Palestras, Partilhas & Workshop's. Tlm: 962856134 mail: mestreviktor@gmail.com Fundador do Projecto Social "REIsocialKI®" & Autor do Livro: "Partilhas de um Ser" - APR

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.subscrever feeds

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.LINKs

.posts recentes

. Frank Arjava Petter em En...

. Sentir Reiki

. BORISKA, O Garoto Índigo

. Entrevista a um Arquitect...

.Arquivos

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007