Quarta-feira, 5 de Setembro de 2007

A GENEALOGIA DE JESUS CRISTO

1 - Livro da geração de Jesus, filho de David, filho de Abrahão.

2 - E Abrahão gerou a Isaac; e Isaac gerou a Jacob. e Jacob gerou a Judas e seus irmãos.

3 - E Judas gerou de Thamar a Farés e a Zarão; e Farés gerou a Esron; e Esron gerou o Ardo.

4 - E Ardo gerou a Aminadab; e Aminadab gerou a Naas­son; e Naasson gerou a Salmon.

5 - E Salmon gerou de Rahab a Booz; e Booz gerou de Ruth a Obed; e Obed gerou a Jessé; e Jessé gerou ao rei David.

6 - E o rei David gerou a Salomão, daquela que foi de Urias.

7 - E Salomão gerou a Roboão; e Roboão gerou a Abdias; e Abd ias gerou a Má.

8 - E Asá gerou a Josaphat; e Josaphat gerou a Jorão; e Jorão gerou a Ozias.

9 - E Ozias gerou a Joathão; e Joat hão gerou a Acaz; e Acaz gerou a Ezequias.

10 - E Ezequias gerou a Manassés; e Manassés gerou a Amon; e Amon gerou a Josias.

11 - E Josias gerou a Jeconias e a seus irmãos na transmi­gração de Babilónia.

12 - E depois da transmigração de Babilónia: Jeconias ge­rou a Salathiel; e Salathiel gerou a Zorobabel.

13 - E Zorobabel gerou a Abiud; e Abiud gerou a Eliacim; e Eliacim gerou o Azar.

14 - E Azar gerou a Sadoc; e Sadoc gerou a Aquim; e Aquim gerou a Eliud.

15 - E Eliud gerou a Eleazar; e Eleazar gerou a Mathan; e Mathan gerou a Jacob.

16 - E Jacob gerou a José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama o Cristo.

17 - De maneira que todas as gerações, desde Abrahão até David são quatorze gerações; e desde David até a transmigração de Babilónia, quatorze gerações; e desde a transmigração de Babilónia até Cristo, quatorze gerações.

 

Mateus inicia o seu Evangelho, traçando-nos a genealogia de Jesus. Ë uma genealogia de pouca significação e que nada acrescenta à glória de Jesus. O certo é que um homem vale por si mesmo e pelas suas realizações; e não pelo que foram ou pelo que fizeram seus ascendentes.

Jesus conviveu com os pequeninos das margens do lago e com os pobres dos subúrbios de Jerusalém; ensinava nas vilas e andava a pé pelas estradas. A vida humilde que viveu de­monstra-nos que nunca se importou com as grandezas do mundo nem com os poderosos de seu tempo; por conseguinte,

muito menos se preocuparia por seus antepassados.

Quanto à sua obra, não precisamos voltar a encarecer a importância dela: a influência que não cessa de exercer, o influxo que continuamente transmite às realizações nobres da humanidade, o abrandamento do carácter e a moralização dos costumes de todos os que a estudam de coração e o sentimento de fraternidade que há dois milénios desenvolve na terra, lhe conferem excepcional valor.

Jesus foi um médium de Deus. Diretamente inspirado pelo Altíssimo, tornou conhecido dos homens o código divino, pelo qual a terra se ilumina espiritualmente cada dia mais.

Fonte: O Evangelho dos humildes
Publicado por Viktor às 14:35
Link | Comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Agosto de 2007

EVA E A COSTELA ADÃO: UM MITO DE ORIGEM SOCIAL

Acreditam alguns comentaristas e intérpretes que a alegoria bíblica da criação da mulher tinha uma finalidade social: incutir no homem o respeito pela companheira tirada da sua própria carne. A verdade, ao que parece, é outra. Esse objectivo seria melhor atingido se Deus criasse o casal ao mesmo tempo. A Bíblia deu preferência ao homem e colocou a mulher em segundo plano. O motivo deve ser a necessidade de atender aos preconceitos da época. Mas é incrível que até hoje, no mundo inteiro, multidões de pessoas acreditem que Adão dormiu sozinho e acordou acompanhado de Eva, porque Deus lhe tirou uma costela e dela fez a primeira mulher.
A passagem figura no Cap. II do Génesis, versículos 18 a 25. Note-se que Deus já havia criado todas as coisas, o mundo já estava feito e povoado de animais, com Adão solitário no Éden, quando a mulher foi criada. Tudo concorre para a sua situação de dependência e subserviência das sociedades patriarcais. O próprio Moisés não compreenderia a mulher criada ao mesmo tempo que o homem. Por isso, o espírito-guia do povo hebreu, que na verdade era o deus-familiar de Abrão, Isaac e Jacó, lançou mão dessa alegoria ingénua e poética, proveniente de lendas folclóricas.
Quem estuda, na História das Religiões e na Antropologia cultural, o problema das cosmogonias antigas, não tem dúvida quanto à natureza lendária e alegórica dessa passagem bíblica. Basta recordar os processos mitológicos de criação, em que os próprios deuses eram tirados do corpo de outros deuses e as criaturas humanas também, como no caso muito conhecido da descendência de Brama, na índia. Aceitar, pois, literalmente, o relato bíblico da criação da mulher é deixar de lado a nossa faculdade de pensar, que Deus nos deu para que seja usada e desenvolvida cada vez mais.
A situação de dependência da mulher se justifica ainda com a alegoria do pecado original, pois é a mulher, criatura inferior, que põe o homem a perder. O Cristianismo veio modificar essa situação, típica das sociedades patriarcais de toda a Antiguidade, ao valorizar a mulher no plano espiritual, como vemos no Novo Testamento, a começar do nascimento do Messias. O Espiritismo, que representa o desenvolvimento natural do Cristianismo, completa essa modificação, ao revelar que homem e mulher só existem como expressões da vida nos planos inferiores.
O espírito não tem sexo e se encarna neste ou naquele sexo de acordo com as suas necessidades evolutivas. Por isso Jesus ensinou que os espíritos "nem se casam nem se dão em casamento, pois são como os anjos do céu", como vemos na passagem de Mateus sobre a ressurreição (Mateus, 22:23-33). E Paulo sustenta o mesmo princípio, afirmando que em Cristo, na vida espiritual que ele nos oferece: "não há nem homem nem mulher". (Gaiatas, 3:28).
Publicado por Viktor às 20:15
Link | Comentar | ver comentários (1) | favorito
::: GUESTBOOK :::

.Autor do Livro "Partilhas de um Ser"

.Eu

.Local/Contacto:

«Albufeira, Estremoz e Guarda». Cursos, Palestras, Partilhas & Workshop's. Tlm: 962856134 mail: mestreviktor@gmail.com Fundador do Projecto Social "REIsocialKI®" & Autor do Livro: "Partilhas de um Ser" - APR

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.subscrever feeds

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.LINKs

.posts recentes

. A GENEALOGIA DE JESUS CRI...

. EVA E A COSTELA ADÃO: UM ...

.Arquivos

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007