.Já em Agenda

*Cursos de Reiki e Karuna de Todos os níveis*-*Workshop's de Técnicas de Reiki*
Domingo, 3 de Fevereiro de 2013

Frank Arjava Petter em Entrevista

Ensina Reiki a muitos alunos espalhados por todo o mundo. Qual é a sua percepção e opinião acerca da difusão que actualmente se verifica desta terapia complementar?

As pessoas são iguais em toda a parte. Todos nós sofremos da mais fatal de todas as doenças: não sabemos quem somos. Consciente ou inconscientemente, as pessoas são atraídas para o Reiki porque intuem que o mesmo pode curar essa doença. A palavra Reiki originalmente significa “energia da alma”. Para o Xintoísmo, a alma reside no centro do nosso cérebro, onde os chacras da coroa e da terceira visão se encontram. Este centro está naturalmente ligado à fonte cósmica. Todavia, no decurso da evolução ficámos cada vez mais centrados no nosso ego e, assim, perdemos a nossa ligação com o divino. Numa sintonização de Reiki (em japonês Reiju, que significa literalmente “dar ou conceder a alma”), correctamente realizada, este centro é despertado do seu sono profundo e o iniciado volta a ligar-se ao Universo. Uma vez conectado, cabe a ele permitir que o Reiki purifique o seu coração e a sua mente. É isto que todas as pessoas têm em comum: todos aspiramos por unidade, amor e contentamento. E o Reiki permite isto. Tudo o que você tem de fazer é dizer Sim!

Já esteve em Portugal anteriormente com o objectivo de ensinar Reiki. Qual é a sua perspectiva em relação à prática no nosso país?

Fiquei com a ideia de que os portugueses têm um coração aberto, são sequiosos por aprofundar os seus conhecimentos sobre Reiki e que estão cansados de professores que não vivem de acordo com o que ensinam. Pareceu-me que vocês aspiram por uma atitude de amor e bondade, livre de julgamentos, o que coincide com o verdadeiro espírito do Reiki.

As suas investigações são famosas e todos lhe devemos os conhecimentos que trouxe até nós sobre o Reiki tradicional. Será que nos pode explicar o que tem andado a pesquisar recentemente?

O Reiki teve início com a iluminação que Sensei Usui experimentou no Monte Kurama em Março de 1922. Quando regressou à vida normal procurou transportar consigo essa iluminação naquilo que veio depois a ensinar. Assim, quanto mais percebermos sobre aquilo que Sensei Usui ensinava, maiores serão as probabilidades de que a semente da iluminação entre nos nossos corações. O Reiki não se trata de curar uma dor de cabeça. Se fosse só isso, seria melhor tomar uma Aspirina! Reiki é sobre transformação, auto-realização e tornarmo-nos unos com o Universo. Esta é a razão por que eu passei 20 anos da minha vida a investigar o Sensei Usui e o seu trabalho.

Qual pensa que deve ser o caminho certo para se conseguir a profissionalização de terapeutas e mestres?

Sugiro que nos sentemos todos juntos para decidirmos sobre padrões mínimos de ensino, os quais poderemos depois entregar os nossos governos para que aprovem. Também defendo que ensinar todos os níveis num único fim-de-semana, adicionar novos símbolos ou fazer sintonizações à distância, entre outras práticas, são coisas que devem ser descontinuadas. O Reiki é impressionante na sua simplicidade e clareza, e seria uma pena torná-lo complicado apenas porque as nossas mentes não conseguem relaxar ao colocar as mãos em alguém e esquecer tudo o resto. Agora sabemos o que tanto o Sensei Usui como o Sensei Hayashi ensinavam e isso deve ser a nossa norma de orientação.

Não vê, então, como importante a evolução do Reiki através de novas técnicas e outros conhecimentos?

Existem muitos “tipos” de Reiki que eu não considero como sendo Reiki de forma nenhuma. Se alguém descobre uma nova técnica, ou desenvolve um novo trabalho energético, porque é que lhe vai chamar Reiki? Por que é que não lhe dá um nome diferente? Parece-me que há aqui razões financeiras.

De acordo com a minha experiência, a evolução do Reiki acontece nas mãos do praticante. Se alguém coloca todo o seu coração no Reiki, devotando-se inteiramente à prática como se a sua vida dependesse disso, então o Reiki irá purificar o seu coração e transformá-lo. A transformação é a única mudança que vale a pena.

Claro que é possível que alguém se depare com uma nova técnica que se revela útil. Nesse caso eu sugiro que a pratique sozinho durante um ano ou dois e só depois deverá partilhar, mas começando por amigos próximos em primeiro lugar; estes depois verão se a técnica resulta para eles e, se assim for, então poderá ser útil a outros. Mas quando esta técnica for ensinada sugiro que o professor fale aos alunos sobre a sua origem, deixando claro que não faz parte do Reiki tradicional.

Na sua opinião quais são as principais diferenças entre as práticas do Mestre Mikao Usui e do Mestre Hayashi?

As diferenças são muito poucas. Se olharmos para os certificados de Reiki que o Sensei Hayashi passava encontramos lá escrito “Shin Shin Kaizen Usui Reiki Ryoho”, o que significa “para a melhoria do corpo e da mente/espírito Usui Reiki Ryoho”. Se ele tivesse alterado a técnica ter-lhe-ia chamado Reiki Hayashi. Mas essa não é uma prática que se coadune com os valores tradicionais de um japonês. Com amor e respeito pelo seu professor, ele ensinou exactamente o que aprendeu, sem alterar. Na nossa cultura ocidental, a coisa mais importante é o “Eu”, a personalidade, o ego. Queremos ser os melhores, os primeiros, estar no topo. O Oriente não conhece esta doença. O facto de que alguém possa alterar o processo de sintonização, ou invente um novo, é impensável de um ponto de vista tradicional pela simples razão de que isto aponta para uma única coisa: para o ego.

Contudo, foram feitos alguns ajustes menores. Sensei Hayashi era médico e se nós compararmos o manual que ele dava aos seus alunos com o de Sensei Usui verificamos que há ligeiras diferenças. Por exemplo, Sensei Usui sugeria o tratamento de certas vértebras enquanto Sensei Hayashi se focava mais nos órgãos internos.
Aqueles que fazem tratamentos com frequência irão achar que Sensei Hayashi desenvolveu o seu estilo individual de tratar os seus clientes. O único aspecto técnico que Sensei Hayashi mudou foi o uso de mesas de massagem (denominadas Reiki Dai) enquanto Sensei Usui trabalhava no chão, em tatamis. Todas as outras alterações foram introduzidas pela Sensei Takata e seus estudantes. Na verdade, aquilo que a Sensei Takata ensinava estava muito perto do que eu aprendi com Chiyoko Yamaguchi, portanto, temos de afirmar que provavelmente a maior parte das diferenças foram da responsabilidade dos alunos da Sensei Takata. Isso explica o grande fluxo de pensamentos new agepara dentro da prática de Reiki, nenhum dos quais lhe pertencia originalmente.

Actualmente, de que forma os japoneses vivem, praticam e ensinam Reiki? É muito diferente da forma como nós, ocidentais, o fazemos?

A maneira tradicional implica diferenças de filosofia, bem como de prática, e para responder a esta questão de maneira satisfatória eu levaria dias! Deixe-me responder de forma concisa. Muitos japoneses praticantes de Reiki aprenderam Reiki na linhagem Takata. Um japonês que aprenda Reiki tradicional irá estabelecer um compromisso de vida trabalhando consigo próprio. Irá abraçar os Gokkai e integrá-los na sua vida. Ele irá praticar fazendo tratamentos diligentemente e irá perceber que aprende com cada um dos seus clientes. Vai manter uma “mente de principiante” em cada momento da sua vida e vai-se esforçar por realizar o seu potencial. Vai aprender a observar o processo de cura do corpo do cliente com as mãos, praticando a arte do Byosen. Ele sabe que a arte secreta da felicidade é viver uma vida de amor e compaixão misturada com consciência. Assim, as bênçãos que ele experimentar irão irradiar a partir do seu Ser e afectar todos os que o rodeiam.

Podemos esperar para breve novos livros seus traduzidos para português?

O meu livro mais recente — “This is Reiki” – já foi traduzido para português do Brasil e deverá ser publicado em breve. Podem esperar passar alguns dias ou noites divertidos a lê-lo… trata-se da minha canção de amor ao Reiki e o culminar de todo o meu trabalho.

Fonte: APR

Saudações Holísticas

NAMASTÊ

Publicado por Viktor às 23:24
Link | Comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Junho de 2012

Apresentação do livro… Loulé, Monchique e Silves

Caros leitores,

     O livro “Partilhas de um Ser” está classificado como livro de auto-ajuda. Nele estão reunidos conhecimentos que venho adquirido ao longo do tempo, enquanto mestre e terapeuta holístico, e que tenho o prazer de partilhar com todos vocês. Todas as aprendizagens na vida são feitas através da partilha entre os seres humanos, que resulta nas aprendizagens diárias numa partilha mutua de conhecimentos.

     Segue-se a agenda das próximas apresentações do livro:

- Dia 2 Junho, às 11h na Biblioteca Municipal de Loulé;

- Dia 6 Junho, às 21h na Biblioteca Municipal de Monchique;

- Dia 30 Junho, às 15h na Biblioteca Municipal de Silves;

     Termino deixando o link directo para a publicação no blogue da editora: http://www.bubok.pt/blog/lancamento-do-livro-partilhas-de-um-ser/

Saudações Holísticas

NAMASTÊ

Estado de Espiríto: Feliz por partilhar com todos
Publicado por Viktor às 13:10
Link | Comentar | favorito
Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2012

Sábado às 15:30h

Publicado por Viktor às 00:00
Link | Comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Setembro de 2010

Valor… Importância… Custo… Taxa… Multa…

Caros amigos,

Todas estas palavras nos indicam uma coisa: “Há um pagamento que tem de ser realizado”. Isto é normal na sociedade em que vivemos, desde que o ser humano criou aquilo que se chama de “moeda” [palavra derivada do local onde na Roma antiga as mesmas eram cunhadas, numa casa ao lado do templo da Deusa “Juno Moneta”]. Mas não era este o tema que aqui queria abordar, pelo que me vou reportar ao assunto pretendido.

De Norte a Sul do país podemos encontrar os mais variados mestres e terapeutas de Reiki ou holísticos. Diferentes na cor, na origem, na religião, na fala, no peso, na simpatia, enfim, em tantas coisas, pois tal como cada paciente é um paciente (com as suas particularidades) também cada mestre é um mestre.

Cada um deve valorizar o seu trabalho, mediante o seu patamar de entendimento sobre o mesmo, por isso podemos constatar que há a mais variada diversidade de preços para a prestação do “mesmo serviço”. Não pretendo com isto criar qualquer tipo de “guerra” seja com quem for, pois Eu Sou o que Eu Sou e respeito o trabalho de todos os outros. Para mim “Valor” é uma contribuição dada por um serviço que se recebe ou presta. Quando presto um serviço, o valor que lhe atribuo-o é definido segundo a interpretação que eu lhe dou, mediante a minha maneira de estar perante o meu semelhante e o universo. Agora imaginem o seguinte: “Vou dar um curso de Iniciação ao Reiki a um determinado lugar no qual constato que há uma pessoa que necessita mesmo dele mas não tem possibilidade de me pagar a importância pedida. Perante tal situação eu decido oferecer o curso à pessoa”. Pois é, isto agora vai levantar outras questões na mente das pessoas: “Oferecido? Hoje em dia ninguém oferece nada a ninguém! Não cobrar nada pela consulta? Deve ser charlatão”. Pois é, mas pergunto eu: “Será que a mesma formação, com a excepção de não ser paga, não tem a mesma validade que as outras? Por acaso alguma vez se questionaram porque é que Jesus e Buda não cobravam nada quando faziam imposição de mãos sobre aqueles que os procuravam?” Este tipo de pensamento de que o que é oferecido não tem nenhum valor é fruto de mentes “tacanhas” que não nutrem o sentimento de Amor Incondicional, do praticar o bem para com o seu semelhante em prol do bem-estar comum universal.

Termino deixando-lhe esta frase para reflexão: “O Valor da pessoa não se mede pela sua inteligência, mas pelo Valor da sua Obra”.

Saudações Holísticas

NAMASTÊ

Estado de Espiríto: Feliz por partilhar com todos
Música: M80
Publicado por Viktor às 12:42
Link | Comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 7 de Setembro de 2010

Reflexão

Caros leitores,

O Ser sofre pelas mais variadas razões e motivos, perda, solidão e eutanásia. Muitos Seres sofrem porque perderam a casa, o computador, um amigo ou até mesmo um familiar, até aqui tudo bem, mas vamos lá ver porque sofrem? Sofrem devido ao apego (já aqui abordei este tema) que deriva da educação individual e colectiva das pessoas, pois teimam em viver “agarradas” aos paradigmas da sociedade e das velhas crenças que cada vez mais se encontram ultrapassadas. Lembrem-se de quando nasceram, o que trouxeram convosco? Nada! Logo, não esperem levar nada de cá, pois nada lhes pertence, a não ser as vivências e aprendizagens de cada momento que têm na vida, pois os momentos são únicos. Assim sendo tenham presente que nada é eternamente vosso e tudo aquilo que diz ter é apenas temporariamente seu, porque amanhã poderá já não ser e quando partir tudo ficará cá, ou espera ser enterrado como os faraós?

A Solidão pode ser sentida das mais diversas formas e feitios. O Ser pode-se sentir só estando realmente sozinho, no meio de uma multidão ou até mesmo fazendo uma vida normal. Sente-se só porque as outras pessoas não dão valor ao seu trabalho, porque é incompreendido, porque não o convidam para as festas, porque se sente “posto de parte”, porque sabe que poderia ser útil e não lhe pedem, enfim pelos mais variados motivos. Não se sinta assim, pois o mal não é seu mas sim de todos aqueles que não reconhecem o benefício da sua obra, pois o valor de qualquer “obra” ou “projecto” é “medido” consoante o objectivo e a finalidade com que o mesmo é executado e não pela sua grandeza física ou pela quantidade de participantes que tem.

Eutanásia é uma palavra que tem suscitado inúmeros comentários e opiniões no meio científico. Esta é apenas uma palavra para “encapotar” uma ordem de Morte. Mas quem é o Ser humano para definir segundo os seus paradigmas e conceitos, quem e quando deve morrer? Agora pergunto eu, quem é que disse àquelas pessoas para virem ao planeta Terra? Se não são donos do fenómeno da vida, porque querem ser donos da hora da partida (morte)? Nestes casos o Ser humano deve agir como age com qualquer pessoa que necessita de cuidados médicos, e assim tentar por todos os meios possíveis manter a pessoa neste planeta ou não será esta a função dos médicos? Respeitemos o próximo mesmo não concordando com as suas ideias, situação fundamental para se conseguir viver harmoniosamente em sociedade.

Saudações Holísticas

NAMAS

Música: M80
Publicado por Viktor às 11:39
Link | Comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 1 de Setembro de 2010

Conversas com a Alma

Perguntas da Terra (mente): Será que sigo o caminho correcto? Fiz alguma coisa de mal? Como não compreendem a simplicidade da minha pessoa, será que sou incompreendido? Como não gosto de criar ambientes tensos, será que não me levam a sério? Tenho um projecto social em prol do meu semelhante e nem a instituição que é ajudada divulga, porquê? Porque é que as pessoas aparecem e desaparecem da minha vida? Porque é que me dizem uma coisa e fazem outra? Será útil ter um blogue? Tenho de ouvir e compreender todos os desabafos e ninguém me ouve? Porque a solidão teima em me acompanhar?

Respostas do Eu Sou: [Será que sigo o caminho correcto?] Segues pelo caminho que escolhes-te em consciência, que a tua intuição te diz que apesar de o percorreres muitas vezes só, consegues encontrar de quando a quando momentos de felicidade interior que te servem de combustível. [Fiz alguma coisa de mal?] Desde que ajas em consciência em prol do teu semelhante e isso vai-se reflectir na tua pessoa. [Como não compreendem a simplicidade da minha pessoa, será que sou incompreendido?] Vitor, as pessoas quando têm um certo “título” são vistas como diferentes, sérias, ponderadas com um certo ar de “superioridade” e como tu não és nada disso, sendo uma pessoa simples, brincalhona, sempre disposto a ajudar e não gostando de criar distâncias/barreiras enfim, igual aos que te procuram em prol do teu conhecimento e ajuda, e isso gera confusão nas mentes deles. [Como não gosto de criar ambientes tensos, será que não me levam a sério?] Como já te tinha alertado, acho que dás “demasiada” liberdade às pessoas e depois Elas abusam porque se acham nesse direito, não respeitando o espaço nem o momento que é teu, pois elas pensam só nelas (alimentando o seu ego) e depois é que vêm os outros. [Tenho um projecto social em prol do meu semelhante e nem a instituição que é ajudada divulga, porquê?] Vitor, sabes muito bem que perante uma atitude de violência o Ser responde com outra atitude de violência imediatamente, o que já não se passa quando praticas um acto de Amor Incondicional para com o teu semelhante, pois recebem de braços abertos mas dizer “Obrigado” ou simplesmente lembrarem-se de ti futuramente esquece porque o Ser Humano ainda não conseguiu abolir a ingratidão, pois está difícil terem consciência das mudanças planetárias que os “obrigam” cada vez mais a pensar nos benefícios colectivos em detrimento dos individuais. [Porque é que as pessoas aparecem e desaparecem da minha vida?] Realmente isso tem sido uma constante na tua vida e irá continuar a ser até ao teu último dia, pois elas aproximam-se de ti quando têm algo a aprender ou para te ensinar e depois das suas “missões contigo” cumpridas simplesmente seguem os caminhos que definem através do seu livre arbítrio. [Porque é que me dizem uma coisa e fazem outra?] Vitor, isso acontece porque as pessoas querem ser simpáticas para contigo e até podem querer ir ter contigo, pelos mais variados motivos, mas sabes que a Luz e as Trevas estão constantemente em “luta”, o que dificulta a vida das pessoas, pois quando procuram a Luz, as Trevas tentam sempre impedir a acção. [Será útil ter um blogue?] Essa é uma das formas de transmitires as tuas mensagens e ensinamentos de forma a despertar consciências para que saibam, mas é claro que apenas esporadicamente sabes que as pessoas lêem o que escreves porque te dizem, pois vão lá e nada dizem ou comentam. Estas a escrever um livro que também não saberás se vai ser aceite ou lido. Foca-te apenas no objectivo maior que é o “auxílio ao semelhante” e o resto o universo dir-te-á. [Tenho de ouvir e compreender todos os desabafos e ninguém me ouve?] Vitor, diariamente a maioria das pessoas que te rodeiam são pessoas muito terrenas e que pouca ou nenhuma importância dão à espiritualidade, por isso como nessa perspectiva pouco entendem do que lhes possas dizer e por sua vez também não te podem ser mais úteis, pois as observações e opiniões delas são norteadas pelas leis terrenas e não universais. [Porque a solidão teima em me acompanhar?] Vitor, cada um segue o seu caminho de ascensão e como “tens a mania” que és um “pescador de almas”, baixas um pouco a tua vibração energética para andares a ajudar os outros a elevarem-se. Podes estar só fisicamente, mas sabes e tens consciência de que nunca estás só, pois tens uns seres que te acompanham para onde vais e sempre ao teu dispor para te auxiliarem nas tuas intenções.

Saudações Holísticas

NAMAS

Estado de Espiríto: Em Reflexão...
Música: M80
Publicado por Viktor às 13:28
Link | Comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Agosto de 2009

Familia

Caros leitores e amigos,

Cada um de nós tem uma família com a qual temos de viver enquanto cá estamos. Esperamos que a mesma esteja ao nosso lado nos altos e baixos da vida. Ao longo da vossa vida, por vezes já deram pela vossa mente a fazer-lhes estas e outras perguntas: Porque é que eu tenho estes pais? Porque é que tenho esta família? Porque é que fui abusado(a) por um familiar? Porque é que a minha família me rejeita?

Então eu vou-lhes responder a todas estas questões. O/A único culpado/a disto é você. Nada mais correcto, pois foi você que escolheu a família em que quis nascer, mediante as provações necessárias pelas quais tem de passar no seu processo evolutivo enquanto espírito encarnado. Pois é, a vida não acaba quando morrer, apenas vai ser transportado para outro plano onde o que vê na terra também existe, à excepção das leis defeituosas criadas pelos Homens, pois nesse plano é regido pela Lei da Providência criada pelo divino Criador. Se foi essa a família que lhe saiu na rifa não foi por acaso, foi sim obra do merecimento, por aquilo que fez ou não nas anteriores vidas em que cá esteve (terra). Por isso meu amigo, não se lamente por isso, pois ninguém tem culpa da tua situação a não seres tu e apenas tu. Assume o papel da tua vida, vivendo com o que tens (partilhando com o teu semelhante) sem desejares a cada dia que passa, mais, mais e mais pois isso será uma chaga. Essa chaga vai criar bloqueios energéticos no corpo que por sua vez vão despoletar alguns problemas tais como úlceras, enxaquecas, alterações no sistema nervoso, dores na região dorso lombar e noutras partes do corpo, hipertensão arterial, ansiedade, medos, fobias e uma grande baixa nos níveis de auto-estima. Todas estas situações podem ser atenuadas ou até mesmo eliminadas através da prática do Reiki. Pense nisto e se tiver algo a dizer ou acrescentar, tenha a liberdade.

Saudações Reikianas

NAMASTÉ

Publicado por Viktor às 11:01
Link | Comentar | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 16 de Agosto de 2009

Educação

Educa o terreno e terás o pão farto.

Educa a árvore e receberás a bênção da fartura.

Educa o minério e obterás a utilidade de alto preço.

Educa a argila e plasmarás o vaso nobre.

Educa a inteligência e atingirás a sabedoria.

Educa as mãos e acentuarás a competência.

Educa a palavra e colherás simpatia e cooperação.

Educa o pensamento e conquistas-te a ti mesmo.

Sem o alfabeto anoitece o espírito.

Sem o livro falece na cultura.

Sem o mérito da lição a vida seria animalidade.

Sem a experiência e a abnegação dos que ensinam, o homem não romperia as faixas da infância.

Em toda parte, vemos a acção da Providência Divina, no aprimoramento da Alma Humana.

Aqui é o amor que edifica. Além, é o trabalho que aperfeiçoa. Mais adiante é a dor que regenera.

Meus amigos, a Terra é nossa escola milenária e sublime. Jesus é o Nosso Divino Mestre. O espiritismo sobretudo, é obra de educação. Façamos da educação com o Cristo, o culto de nossa vida, para que a nossa vida possa educar-se e educar como Senhor, hoje e sempre.

Espírito:EMMANUEL

Médium: Francisco Cândido Xavier

Livro: “Taça de Luz

Saudações Reikianas

NAMASTÉ

Publicado por Viktor às 09:00
Link | Comentar | favorito
Segunda-feira, 6 de Julho de 2009

Vultos do Espiritismo…

ANTÔNIO GONÇALVES DA SILVA BATUÍRA

            Nascido a 19 de Março de 1839, em Portugal, na Freguesia de Águas Santas, hoje integrada no Conselho da Maia, e desencarnado em São Paulo, no dia 22 de Janeiro de 1909.

      Depois de completar a sua instrução primária, foi para o Brasil, com apenas onze anos de idade, aportando no Rio de Janeiro, a 3 de Janeiro de 1850.

      O seu nome de origem era António Gonçalves da Silva, entretanto, devido a ser um rapaz muito activo, correndo daqui para acolá, a gente da rua o apelidara "o batuíra", o nome que se dava à narceja, ave pernalta, muito ligeira, de voo rápido, que frequentava os charcos na várzea formada, no atual Parque D. Pedro 2º, em S. Paulo, pelos transbordamentos do rio

 Tamanduateí. Desde então o cognome "Batuíra" foi incorporado ao seu nome.

      Batuíra desempenhou uma série de actividades que não cabe registar nesta concisa biografia, entretanto, podemos afirmar que defendeu calorosamente a ideia da abolição da escravatura no Brasil, quer seja abrigando escravos na sua casa e conseguindo-lhes a carta de alforria, ou fundando um jornalzinho a fim de colaborar na campanha encetada pelos grandes abolicionistas Luiz Gama, José do Patrocínio, Raul Pompéia, Paulo Ney, Antônio Bento, Rui Barbosa e tantos outros grandes paladinos das idéias liberais.

      Homem de costumes simples, alimentando-se apenas de hortaliças, legumes e frutas, plantava no quintal da sua casa tudo aquilo que necessitava para o seu sustento. Com as economias, adquiriu os então desvalorizados terrenos do Lavapés, em S. Paulo, edificando ali boa casa de residência e, ao lado dela, uma rua particular com pequenas casas que alugava a pessoas necessitadas. O tempo contribuiu para que tudo ali se valorizasse, propiciando a Batuíra apreciáveis recursos financeiros. A rua particular deveria ser mais tarde a Rua Espírita, que ainda lá está.

      Tomando conhecimento das altamente consoladoras verdades do Espiritismo, integrou-se resolutamente nessa causa, procurando pautar seus actos nos moldes dos preceitos evangélicos. Identificou-se de tal maneira com os postulados espíritas e evangélicos que, ao contrário do "moço rico" da narrativa evangélica, como que procurando dar uma demonstração eloquente da sua comunhão com os preceitos legados por Jesus Cristo, desprendeu-se de tudo quanto tinha e pôs-se a seguir as suas pegadas. Distribuiu o seu tesouro na Terra, para entrar de posse daquele outro tesouro do Céu.

      Tornou-se um dos pioneiros do Espiritismo no Brasil. Fundou o "Grupo Espírita Verdade e Luz", onde, no dia 6 de Abril de 1890, diante de enorme assembleia, dava início a uma série de explanações sobre "O Evangelho Segundo o Espiritismo".

      Nessa oportunidade deixara de circular a única publicação espírita da época, intitulada "Espiritualismo Experimental" redigida desde setembro de 1886, por Santos Cruz Junior. Sentindo a lacuna deixada por essa interrupção, Batuíra adquiriu uma pequena tipografia, a que denominou

      "Tipografia Espírita", iniciando a 20 de Maio de 1890, a publicação de um quinzenário de quatro páginas com o nome "Verdade e Luz", posteriormente transformado em revista e do qual foi o director responsável até a data de sua desencarnação. A tiragem desse periódico era das mais elevadas, pois de 2 ou 3 mil exemplares, conseguiu chegar até 15 mil, quantidade fabulosa naquela época, quando nem os jornais diários ultrapassavam a casa dos 3 mil exemplares. Nessa tarefa gloriosa e ingente Batuíra despendeu sua velhice. Era de vê-lo, trôpego, de grandes óculos, debruçado nos cavaletes da pequena tipografia, catando, com os dedos trémulos, letras no fundo dos caixotes.

      Para a manutenção dessa publicação, Batuíra despendeu somas respeitáveis, já que as assinaturas somavam quantia irrisória. Por volta de 1902 foi levado a vender uma série de casas situadas na Rua Espírita e na Rua dos Lavapés, a fim de equilibrar suas finanças.

      Não era apenas esse periódico que pesava nas finanças de Batuíra. Espírito animado de grande bondade, coração aberto a todas as desventuras, dividia também com os necessitados o fruto de suas economias. Na sua casa a caridade se manifestava em tudo: jamais o socorro foi negado a alguém, jamais uma pessoa saiu dali sem ser devidamente amparada, havendo mesmo muitas afirmativas de que "um bando de aleijados vivia com ele". Quem ali chegasse, tinha cama, mesa e um cobertor.

      Uma vez um desses homens que viviam sob o seu amparo, furtou-lhe um relógio de ouro e corrente do mesmo metal. Houve uma denúncia e ameaças de prisão. A esposa de Batuíra lamentou-se, dizendo: "é o único objecto bom que lhe resta". Batuíra, porém, impediu que se tomasse qualquer medida, afirmando: "Deixai-o, quem sabe precisa mais do que eu".

      Batuíra casou-se em primeiras núpcias com D. Brandina Maria de Jesus, de quem teve um filho, Joaquim Gonçalves Batuíra, que veio a desencarnar depois de homem feito e casado. Em segundas núpcias, casou-se com D. Maria das Dores Coutinho e Silva; desse casamento teve um filho, que desencarnou repentinamente com doze anos de idade. Posteriormente adoptou uma criança retardada mental e paralítica, a qual conviveu em sua companhia desde 1888.

      Figura bastante popular em S. Paulo, Batuíra tornou-se querido de todos, tendo vários órgãos da imprensa leiga registado a sua desencarnação e apologizado a sua figura exponencial de homem caridoso e dedicado aos sofredores.

Saudações Reikianas

NAMASTÉ

Publicado por Viktor às 09:09
Link | Comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Março de 2009

Nosso Lar

A vida não cessa. A vida é a fonte eterna e a morte é o jogo escuro das ilusões.

O grande rio tem o seu trajecto, antes do mar imenso. Copiando-lhe a expressão, a alma percorre igualmente caminhos variados e etapas diversas, também recebe afluentes de conhecimentos, aqui e ali, avoluma-se em expressão e purifica-se em qualidade, antes de encontrar o Oceano Eterno da Sabedoria.

Cerrar os olhos carnais constitui operação demasiadamente simples.

Permutar a roupagem física não decide o problema fundamental da iluminação, como a troca de vestidos nada tem que ver com as soluções profundas do destino e do ser. Oh! caminhos das almas, misteriosos caminhos do coração!

É mister percorrer-vos, antes de tentar a suprema equação da Vida Eterna! É indispensável viver o vosso drama, conhecer-vos detalhe a detalhe, no longo processo do aperfeiçoamento espiritual!...

Seria extremamente infantil a crença de que o simples "baixar do pano" resolvesse transcendentes questões do Infinito.

Uma existência é um ato.

Um corpo - uma veste.

Um século - um dia.

Um serviço - uma experiência.

Um triunfo - uma aquisição.

Uma morte - um sopro renovador.

Quantas existências, quantos corpos, quantos séculos, quantos serviços, quantos triunfos, quantas mortes necessitamos ainda?

E o letrado em filosofia religiosa fala de deliberações finais e posições definitivas! Ai! por toda parte, os cultos em doutrina e os analfabetos do espírito!

É preciso muito esforço do homem para ingressar na academia do Evangelho do Cristo, ingresso que se verifica, quase sempre, de estranha maneira - ele só, na companhia do Mestre, efectuando o curso difícil, recebendo lições sem cátedras visíveis e ouvindo vastas dissertações sem palavras articuladas.

Muito longa, portanto, nossa jornada laboriosa.

Nosso esforço pobre quer traduzir apenas uma ideia dessa verdade fundamental.

Grato, pois, meus amigos! Manifestamo-nos, junto a vós outros, no anonimato que obedece à caridade fraternal. A existência humana apresenta grande maioria de vasos frágeis, que não podem conter ainda toda a verdade. Aliás, não nos interessaria, agora, senão a experiência profunda, com os seus valores colectivos. Não atormentaremos alguém com a ideia da eternidade. Que os vasos se fortaleçam, em primeiro lugar. Forneceremos, somente, algumas ligeiras notícias ao espírito sequioso dos nossos irmãos na senda de realização espiritual, e que compreendem connosco que "o espírito sopra onde quer".

E, agora, amigos, que meus agradecimentos se calem no papel, recolhendo-se ao grande silêncio da simpatia e da gratidão. Atracção e reconhecimento, amor e júbilo moram na alma. Crede que guardarei semelhantes valores comigo, a vosso respeito, no santuário do coração. Que o Senhor nos abençoe.

ANDRÉ LUIZ

Saudações Reikianas.

NAMASTÉ

Publicado por Viktor às 07:56
Link | Comentar | favorito
Sábado, 28 de Fevereiro de 2009

Missões no Regresso...

Todo espírito que deseja progredir trabalhando na obra de solidariedade universal recebendo dos espíritos mais elevados uma missão particular, apropriada às suas aptidões e ao seu grau de adiantamento. Alguns têm por tarefa acolher os espíritos no seu retorno à vida espiritual, guiá-los, ajudá-los a se desprenderem dos fluidos espessos que os envolvem; outros são encarregados de os consolar, instruir as almas sofredoras e atrasadas. Espíritos de químicos, físicos, naturalistas, astrónomos, prosseguem as suas pesquisas, estudam os mundos, as superfícies, as profundezas ocultas, actuam em todos os lugares sobre a matéria subtil, que fazem passar por preparações, modificações destinadas a obras que a imaginação humana teria dificuldades em imaginar. Outros aplicam-se às artes, ao estudo do belo sob todas as suas formas. Espíritos menos evoluídos auxiliam os primeiros nas suas tarefas variadas e servem-lhe de auxiliares. Um grande número de espíritos destina-se aos habitantes da Terra e de outros planetas, estimulando-os nas suas pesquisas, fortalecendo ânimos abatidos, guiando os hesitantes pelo caminho do dever. Aqueles que praticaram a medicina e possuem o segredo dos fluidos curativos, reparadores, ocupam-se mais especialmente dos doentes. A mais bela de todas as missões é a dos ESPÍRITOS DE LUZ. Vêm dos espaços celestes para trazer à humanidade os tesouros da sua ciência, da sua sabedoria, do seu amor. Sua tarefa é um sacrifício constante, porque o contacto dos mundos materiais é penoso para eles; porém, encaram todos os sofrimentos por dedicação aos seus protegidos, a fim de assisti-los nas suas provas e colocarem no coração deles grandes e generosas intuições. É justo atribuir-lhes esses clarões de inspiração que iluminam o pensamento, esses desafogos da alma, essa força moral que nos sustenta nas dificuldades da vida. Se soubéssemos a quantos constrangimentos esses nobres espíritos se impõem para chegarem até nós, responderíamos melhor às suas solicitações, faríamos esforços enérgicos para nos desligarmos de tudo o que é insignificante e impuro, unindo-nos a eles na comunhão divina. Nas horas difíceis, é para esses espíritos, para os meus guias bem-amados, que voam os meus pensamentos e meus apelos. É deles que me vem o apoio moral e as consolações supremas. Subi com muita dificuldade os atalhos da vida. Mas nunca me faltou a ajuda de meus amigos espirituais, nunca a minha voz os evocou em vão. Desde os meus primeiros passos neste mundo a sua influência envolveu-me. Compartilharam as minhas alegrias e tristezas e, quando ouvia a tempestade, sabia que estavam firmes ao meu lado, no meu caminho. Sem eles e o seu auxílio, há muito tempo teria sido obrigado a interromper a minha marcha, a suspender o meu trabalho. As suas mãos estendidas têm-me amparado e dirigido na áspera via. Algumas vezes, no recolhimento da tarde ou no silêncio da noite, as suas vozes falam-me, embalam-me e confortam-me; ressoam na minha solidão como uma vaga melodia. Ou, então, são sopros que passam, semelhantes às carícias, sábios conselhos murmurados, indicações preciosas sobre as imperfeições do meu carácter e das formas de o aperfeiçoar. Então esqueço-me das misérias humanas para me alegrar na esperança de um dia rever esses amigos, de me reunir com eles na luz, se Deus me julgar digno disso, com todos aqueles que amei e que, do seio do além, me ajudaram a percorrer esta etapa terrestre. Que para todos vós, espíritos protectores, entidades protectoras, se eleve o meu pensamento de reconhecimento, o melhor de mim mesmo, o tributo da minha admiração e do meu amor! A ALMA VEM DE DEUS E RETORNA A DEUS percorrendo o imenso ciclo dos seus destinos. Por mais baixo que tenha descido, cedo ou tarde, pela atracção divina, sobe de novo para o infinito. O que é que ela procura lá? O conhecimento sempre mais perfeito do universo, a assimilação sempre mais completa dos seus atributos: beleza, verdade, amor! E, ao mesmo tempo, uma libertação gradual das escravizações à matéria, uma colaboração crescente na obra eterna. Cada espírito, no espaço, tem a sua vocação e persegue-a com facilidades desconhecidas na Terra; cada um encontra o seu lugar nesse soberbo campo de acção, nesse vasto laboratório universal. Por todos os lados, tanto na amplidão como nos mundos, objectos de estudo e de trabalho, meios de elevação, de participação na obra divina, oferecem-se à alma laboriosa. Já não é o céu frio e vazio dos materialistas, nem mesmo o céu contemplativo e beato de certos crentes. É um universo vivo, animado, luminoso, repleto de seres inteligentes em via constante de evolução. E quanto mais esses seres espirituais se elevam, mais a sua tarefa se acentua, mais as suas missões se tornam importantes. Um dia, ocupam um lugar entre as almas mensageiras que vão levar aos confins do tempo e do espaço as forças e as vontades da alma infinita.

Saudações Reikianas.

NAMASTÉ

Publicado por Viktor às 10:30
Link | Comentar | favorito
Sábado, 29 de Setembro de 2007

Biografia do Grande Mestre

Mikao Usui era entre outras coisas, um monge budista. Nasceu no Japão em 15 de Agosto de 1865, numa pequena Vila designada Taniai, Distrito de Yamagata, Concelho de Gifu.

Segundo as investigações de Frank Arjava Petter, reveladas no seu livro em parceria com Walter Lubeck e William Rand, “The Spirit of Reiki”, Usui estudou Kiko (a versão japonesa do Chi Kunguma arte oriunda da China para melhorar a saúde através de meditação, exercícios de respiração e exercício em movimento) quando era jovem, num templo de Budismo Tendai, no Monte Kurama, Norte de Kyoto.

Nas práticas do Kiko usa-se a própria energia vital para a cura de outras pessoas, ficando o doador dessa energia, desvitalizado. Algo que não foi do agradado a Mikao Usui e que lhe terá feito nascer à semente daquilo que hoje conhecemos como Reiki.

Segundo William Rand (no mesmo livro), Usui viajou depois por todo o Japão, China e Europa em busca de conhecimento nas áreas da medicina, psicologia, religião e desenvolvimento espiritual. Numa dessas etapas, juntou-se a um grupo designado Rei Jyutu Ka, onde a sua formação acerca do mundo espiritual foi fortificada. Todo o intenso e continuado interesse no conhecimento teriam criado as fundações da incrível bênção que deixou à humanidade.

A sua formação e clareza mental ajudaram-no a conseguir um emprego como secretário de Shinpei Goto, então responsável de um Departamento de Saúde e Bem Estar e mais tarde Presidente de Kyoto. Aqui, Usui conheceu muitas pessoas influentes de todo o Japão tendo iniciado um negócio por conta própria com bastante sucesso.

Em 1914, o negócio começou a correr mal e Usui decidiu tornar-se monge budista. Voltou mais tarde ao Monte Kurama, onde tinha estado a estudar Kiko quando era jovem. Usui iniciou então um retiro de vinte e um dias onde jejuou, cantou, orou e meditou. Uma dessas meditações poderá ter sido ficar debaixo de uma cascata do Monte Kurama com água a cair sobre a cabeça, para abrir e purificar o "chakra da coroa", uma prática que é efetuada ainda hoje pelos monges do Templo Kurama.

No final do retiro, em Março de 1922, Mikao Usui teve a sua experiência de Satori (Iluminação) onde ficou a sabendo de que forma utilizar energia para a cura sem ficar desvitalizado. Usui aplicou então a energia em si próprio e depois na sua família, tendo aberto em Abril de 1922 a escola que ainda hoje existe, Usui Reiki Ryoho Gakkai, em Tókio.

Hoje essa técnica é denominada Reiki.

Fonte: Wikipédia

Publicado por Viktor às 00:02
Link | Comentar | favorito
Domingo, 9 de Setembro de 2007

ALLAN KARDEC

Nascido em Lyon, França, no dia 3 de outubro de 1804 e desencarnado em Paris, no dia 31 de março de 1869.

 

      Muito se tem escrito sobre a personalidade de Allan Kardec, existindo mesmo várias e extensas biografias sobre a sua obra missionária.

      É sobejamente conhecida a sua vida anteriormente ao dia 18 de abril de 1857, quando publicou a magistral obra "O Livro dos Espíritos", que deu início ao processo de codificação do Espiritismo.

      Nesta súmula biográfica, procuraremos esboçar alguns informes sobre a sua inconfundível personalidade, alguns deles já do conhecimento geral.

      O seu verdadeiro nome era Hippolyte-Léon-Denizard Rivail. "Hippolite" em família; "Professor Rivail" na sociedade e "H-L-D. Rivail" na literatura era, desde os 18 anos mestre colegial de Ciências e Letras, e, desde os 20 anos renomado autor de livros didáticos. Suas obras espíritas foram escritas com o pseudônimo de Allan Kardec.

      Destacou-se na profissão para a qual fora aprimoradamente educado na Suíça, na escola do maior pedagogo do primeiro quartel do século 19, d

ue Spirite". Em 1861, dava a lume "O Livro dos Médiuns". Em 1864, aparecia "O Evangelho segundo o Espiritismo"; seguido de "O Céu e o Inferno" em 1865. Finalmente, em 1868 "A Gênesis”, completava o pentateuco do Espiritismo.

      Na ingente tarefa de codificação do Espiritismo, Allan Kardec contou com o valioso concurso de três meninas que se tornaram as médiuns principais no trabalho de compilação de "O Livro dos Espíritos": Caroline Baudin, Julie Baudin e Ruth Celine Japhet. As duas primeiras foram utilizadas para a concatenação da essência dos ensinos espíritas e a última para os esclarecimentos complementares. Ultimada a obra e ratificados todos os ensinamentos ali contidos, por sugestão dos Espíritos, Allan Kardec recorreu a outros médiuns, estranhos ao primeiro grupo, dentre eles Japhet e Roustan, médiuns intuitivos; a senhora Canu, sonâmbula inconsciente; Canu, médium de incorporação; a sra. Leclerc, médium psicógrafa; a sra. Clement, médium psicógrafa e de incorporação; a sra. De Pleinemaison, auditiva e inspirada; sra. Roger, clarividente; e srta. Aline Carlotti, médium psicógrafa e de incorporação.

      Escrevendo sobre a personalidade do ínclito mestre, o emérito Dr. Silvino Canuto Abreu afirmou o seguinte: "De cultura acima do normal nos homens ilustres de sua idade e do seu tempo, impôs-se ao geral respeito desde moço. Temperamento infenso à fantasia, sem instinto poético nem romanesco, todo inclinado ao método, à ordem, à disciplina mental, praticava, na palavra escrita ou falada, a precisão, a nitidez, a simplicidade, dentro dum vernáculo perfeito, escoimado de redundâncias.

      De estatura meã, apenas 165 centímetros, e constituição delicada, embora saudável e resistente, o professor Rivail tinha o rosto sempre pálido, chupado, de zigomas salientes e pele sardenta, castigado de rugas e verrugas. Fronte vertical comprida e larga, arredondada ao alto, erguida sobre arcadas orbitárias proeminentes, com sobrancelhas abundantes e castanhas. Cabelos lisos e grisalhos, ralos por toda a parte, falhos atrás (onde alguns fios mal encobriam a larga coroa calva da madureza), repartidos, na frente, da esquerda para a direita, sem topetes, confundidos, nos temporais, com as barbas grisalhas e aparadas que lhe desciam até o lóbulo das orelhas e cobriam, na nuca, o colarinho duro, de pontas coladas ao queixo. Olhos pequenos e afundados, com olheiras e pápulas. Nariz grande, ligeiramente acavaletado perto dos olhos, com largas narinas entre rictos arqueados e auteros. Bigodes rarefeitos, aparados à borda do lábio, quase todo branco. Pera triangular sob o beiço, disfarçando uma pinta cabeluda. Semblante severo quando estudava ou magnetizava, mas cheio de vivacidade amena e sedutora quando ensinava ou palestrava. O que nele mais impressionava era o olhar estranho e misteriosos, cativante pela brandura das pupilas pardas, autoritário pela penetração a fundo na alma do interlocutor. Pousava sobre o ouvinte como suave farol e não se desviava abstrato para o vago senão quando meditava, a sós. E o que mais personalidade lhe dava era a voz, clara e firme, de tonalidade agradável e oracional, que podia mesclar agradavelmente desde o murmúrio acariciante até as explosões de eloqüência parlamentar. Sua gesticulação era sóbria, educada. Quando distraído, a ler ou a pensar, confiava os "favoris". Quando ouvia uma pessoa, enfiava o polegar direito no espaço entre dois botões do colete, a fim de não aparentar impaciência e, ao contrário, convencer de sua tolerância e atenção. Conversando com discípulos ou amigos íntimos, apunha algumas vezes a destra no ombro do ouvinte, num gesto de familiaridade. Mantinha rigorosa etiqueta social diante das damas."

      Pelo seu profundo e inexcedível amor ao bem e à verdade, Allan Kardec edificou para todo o sempre o maior monumento de sabedoria que a Humanidade poderia ambicionar, desvendando os grandes mistérios da vida, do destino e da dor, pela compreensão racional e positiva das múltiplas existências, tudo à luz meridiana dos postulados do ninfo Cristianismo.

      Filho de pais católicos, Allan Kardec foi criado no Protestantismo, mas não abraçou nenhuma dessas religiões, preferindo situar-se na posição de livre pensador e homem de análise. Compungia-lhe a rigidez do dogma que o afastava das concepções religiosas. O excessivo simbolismo das teologias e ortodoxias, tornava-o incompatível com os princípios da fé cega.

      Situado nessa posição, em face de uma vida intelectual absorvente, foi o homem de ponderação, de caráter ilibado e de saber profundo, despertado para o exame das manifestações das chamadas mesas girantes. A esse tempo o mundo estava voltado, em sua curiosidade, para os inúmeros fatos psíquicos que, por toda a parte, se registravam e que, pouco depois, culminaram no advento da altamente consoladora doutrina que recebeu o nome de Espiritismo, tendo como seu codificados, o educador emérito e imortal de Lyon.

      O Espiritismo não era, entretanto, criação do homem e sim uma revelação divina à Humanidade para a defesa dos postulados legados pelo Meigo Rabi da Galiléia, numa quadra em que o materialismo avassalador conquistava as mais pujantes inteligências e os cérebros proeminentes da Europa e das Américas.

      A primeira sociedade espírita regularmente constituída foi fundada por Allan Kardec, em Paris, no dia 1º de abril de 1858. Seu nome era "Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas". A ela o codificador emprestou o seu valioso concurso, propugnando para que atingisse os nobilitantes objetivos para os quais foi criada.

      Allan Kardec é invulnerável à increpação de haver escrito sob a influência de idéias preconcebidas ou de espírito de sistema. Homem de caráter frio e severo, observava os fatos e dessas observações deduzia as leis que os regem.

      A codificação da Doutrina Espírita colocou Kardec na galeria dos grandes missionários e benfeitores da Humanidade. A sua obra é um acontecimento tão extraordinário como a Revolução Francesa. Esta estabeleceu os direitos do homem dentro da sociedade, aquela instituiu os liames do homem com o universo, deu-lhe as chaves dos mistérios que assoberbavam os homens, dentre eles o problema da chamada morte, os quais até então não haviam sido equacionados pelas religiões. A missão do ínclito mestre, como havia sido prognosticada pelo Espírito de Verdade, era de escolhos e perigos, pois ela não seria apenas de codificar, mas principalmente de abalar e transformar a Humanidade. A missão foi-lhe tão árdua que, em nota de 1º de janeiro de 1867, Kardec referia-se as ingratidões de amigos, a ódios de inimigos, a injúrias e a calúnias de elementos fanatizados. Entretanto, ele jamais esmoreceu diante da tarefa.
Fonte: Os grandes vultos do espiritismo
Publicado por Viktor às 22:52
Link | Comentar | favorito

FREDRICH MYERS

Nascido em Keswick (Cumberland), Inglaterra, a 6 de Fevereiro de 1843, e desencarnado em Roma, Itália, a 17 de Janeiro de 1901.

    

      Fredrich William Henry Myers, mais conhecido por Fredrich Myers, foi erudito literato inglês, famoso pelos seus escritos notáveis e estudos sobre os fenómenos espíritas.

      Educou-se no Colégio da Trindade, de Cambridge, e, após ter colminado uma série apreciável de triunfos, foi nomeado professor do mesmo instituto de ensino e, em 1872, inspector de todas as escolas do Distrito. Nessa época já havia publicado um poema intitulado "São Paulo". Nos anos de 1870 e 1872 lançou mais dois volumes de poesias. Em 1883 publicou seus "Ensaios Clássicos e Modernos" (Essays Classical and Modern), obra que alcançou notável valor literário.

      No ano de 1882, após vários ensaios, estudos e discussões, figurou, em primeiro lugar, na lista dos fundadores da "Sociedade de Investigações Psíquicas de Londres", tornando-se o porta-voz da mesma sociedade, dando sua contribuição valiosa na revisão da magistral obra "Fantasma dos Vivos" (1886), cuja introdução escreveu. De sua autoria é ainda a obra "A Ciência e a Vida Futura".

      Posteriormente à sua desencarnação foi publicado seu livro "Human Personality and its Survival of Bodily Death", vertido para o português com o título "A Personalidade Humana" obra que constituiu, de direito e de fato, preciosa contribuição no campo das investigações psíquicas e que foi qualificada pelo sábio William James como a primeira tentativa de se considerar os fenómenos de alucinação, hipnotismo, automatismo e dupla personalidade como partes de um só todo.

      A sua obra "A Personalidade Humana" foi dedicada a Henry Sidgwick e a Edmond Gurney, constituindo um repositório de fulgurantes ensinamentos.

      Nessas Myers proclama que "assim como Sócrates fez descer a Filosofia do Céu para a Terra, o médium Emmanuel Swedenborg foi quem levantou a Filosofia da Terra para o Céu".

      O Espiritismo muito deve a Fredrich Myers pelo interesse que sempre demonstrou pelas pesquisas dos fenómenos psíquicos e pelo idealismo que o norteou, procurando convencer muita gente mediante um trabalho metódico e de divulgação das verdades espíritas, através de obras que tiveram o mérito de sensibilizar muitas pessoas de notória influência, dentre elas Sir" Arthur Conan Doyle, o genial criador de "Sherlock Holmes", que chegou a afirmar num dos seus relatos que a obra de Fredrich Myers "A Personalidade Humana" foi aquela que mais o impressionou, contribuindo decisivamente para a sua conversão ao Espiritismo. Em sua obra "História do Espiritismo", Conan Doylc presta testemunho sobre Myers, asseverando:

      "A Fé que F. W. H. Myers havia perdido no Cristianismo foi restaurada pelo Espiritismo". Em seu livro "A Fé Final", diz ele: "Não posso, num sentido profundo, contrastar a minha crença actual com o Cristianismo. Considero-a antes um desenvolvimento científico da atitude e do ensino do Cristo".

      Fredrich Myers foi, como decorrência, um dos mais eruditos pesquisadores do século passado e sua contribuição em favor da divulgação dos postulados espíritas foi das mais apreciáveis.

Fonte: Grandes vultos do espirítísmo
Publicado por Viktor às 07:00
Link | Comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2007

UM DOS GRANDES VULTOS DO ESPIRITISMO…

ANTÔNIO GONÇALVES DA SILVA [BATUÍRA]
            Nascido a 19 de Março de 1839, em Portugal, na Freguesia de Águas Santas, hoje integrada no Concelho da Maia, e desencarnado em São Paulo, no dia 22 de Janeiro de 1909.
      Completada a sua instrução primária, veio para o Brasil, com apenas onze anos de idade, aportando no Rio de Janeiro, a 3 de Janeiro de 1850.
      Seu nome de origem era António Gonçalves da Silva, entretanto, devido a ser um moço muito activo, correndo daqui para acolá, a gente da rua o apelidara "o batuíra", o nome que se dava à narceja, ave pernalta, muito ligeira, de voo rápido, que frequentava os charcos na várzea formada, no actual Parque D. Pedro 2º, em S. Paulo, pelos transbordamentos do rio Tamanduateí. Desde então o cognome "Batuíra" foi incorporado ao seu nome.
      Batuíra desempenhou uma série de actividades que não cabe registrar nesta concisa biografia, entretanto, podemos afirmar que defendeu calorosamente a ideia da abolição da escravatura no Brasil, quer seja abrigando escravos em sua casa e conseguindo-lhes a carta de alforria, ou fundando um jornalzinho a fim de colaborar na campanha encetada pelos grandes abolicionistas Luiz Gama, José do Patrocínio, Raul Pompeia, Paulo Ney, António Bento, Rui Barbosa e tantos outros grandes paladinos das ideias liberais.
      Homem de costumes simples, alimentando-se apenas de hortaliças, legumes e frutas, plantava no quintal de sua casa tudo aquilo de que necessitava para o seu sustento. Com as economias, adquiriu os então desvalorizados terrenos do Lavapés, em S. Paulo, edificando ali boa casa de residência e, ao lado dela, uma rua particular com pequenas casas que alugava a pessoas necessitadas. O tempo contribuiu para que tudo ali se valorizasse, propiciando a Batuíra apreciáveis recursos financeiros. A rua particular deveria ser mais tarde a Rua Espírita, que ainda lá está.
      Tomando conhecimento das altamente consoladoras verdades do Espiritismo, integrou-se resolutamente nessa causa, procurando pautar seus actos nos moldes dos preceitos evangélicos. Identificou-se de tal maneira com os postulados espíritas e evangélicos que, ao contrário do "moço rico" da narrativa evangélica, como que procurando dar uma demonstração eloquente da sua comunhão com os preceitos legados por Jesus Cristo, desprendeu-se de tudo quanto tinha e pôs-se a seguir as suas pegadas. Distribuiu o seu tesouro na Terra, para entrar de posse daquele outro tesouro do Céu.
      Tornou-se um dos pioneiros do Espiritismo no Brasil. Fundou o "Grupo Espírita Verdade e Luz", onde, no dia 6 de Abril de 1890, diante de enorme assembleia, dava início a uma série de explanações sobre "O Evangelho Segundo o Espiritismo".
      Nessa oportunidade deixara de circular a única publicação espírita da época, intitulada "Espiritualismo Experimental" redigida desde Setembro de 1886, por Santos Cruz Junior. Sentindo a lacuna deixada por essa interrupção, Batuíra adquiriu uma pequena tipografia, a que denominou "Tipografia Espírita", iniciando a 20 de Maio de 1890, a publicação de um quinzenário de quatro páginas com o nome "Verdade e Luz", posteriormente transformado em revista e do qual foi o director responsável até a data de sua desencarnação. A tiragem desse periódico era das mais elevadas, pois de 2 ou 3 mil exemplares, conseguiu chegar até 15 mil, quantidade fabulosa naquela época, quando nem os jornais diários ultrapassavam a casa dos 3 mil exemplares. Nessa tarefa gloriosa e ingente Batuíra despendeu sua velhice. Era de vê-lo, trôpego, de grandes óculos, debruçado nos cavaletes da pequena tipografia, catando, com os dedos trémulos, letras no fundo dos caixotinhos.
      Para a manutenção dessa publicação, Batuíra despendeu somas respeitáveis, já que as assinaturas somavam quantia irrisória. Por volta de 1902 foi levado a vender uma série de casas situadas na Rua Espírita e na Rua dos Lavapés, a fim de equilibrar suas finanças.
      Não era apenas esse periódico que pesava nas finanças de Batuíra. Espírito animado de grande bondade, coração aberto a todas as desventuras, dividia também com os necessitados o fruto de suas economias. Na sua casa a caridade se manifestava em tudo: jamais o socorro foi negado a alguém, jamais uma pessoa saiu dali sem ser devidamente amparada, havendo mesmo muitas afirmativas de que "um bando de aleijados vivia com ele". Quem ali chegasse, tinha cama, mesa e um cobertor.
      Certa vez um desses homens que viviam sob o seu amparo, furtou-lhe um relógio de ouro e corrente do mesmo metal. Houve uma denúncia e ameaças de prisão. A esposa de Batuíra lamentou-se, dizendo: "é o único objecto bom que lhe resta". Batuíra, porém, impediu que se tomasse qualquer medida, afirmando: "Deixai-o, quem sabe precisa mais do que eu".
      Batuíra casou-se em primeiras núpcias com D. Brandina Maria de Jesus, de quem teve um filho, Joaquim Gonçalves Batuíra, que veio a desencarnar depois de homem feito e casado. Em segundas núpcias, casou-se com D. Maria das Dores Coutinho e Silva; desse casamento teve um filho, que desencarnou repentinamente com doze anos de idade. Posteriormente adoptou uma criança retardada mental e paralítica, a qual conviveu em sua companhia desde 1888.
      Figura bastante popular em S. Paulo, Batuíra tornou-se querido de todos, tendo vários órgãos da imprensa leiga registrado a sua desencarnação e apologiado a sua figura exponencial de homem caridoso e dedicado aos sofredores.
Publicado por Viktor às 06:00
Link | Comentar | favorito
::: GUESTBOOK :::

.Autor do Livro "Partilhas de um Ser"

.Eu

.Local/Contacto:

«Albufeira, Estremoz e Guarda». Cursos, Palestras, Partilhas & Workshop's. Tlm: 962856134 mail: mestreviktor@gmail.com Fundador do Projecto Social "REIsocialKI®" & Autor do Livro: "Partilhas de um Ser" - APR

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.subscrever feeds

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.LINKs

.posts recentes

. Frank Arjava Petter em En...

. Apresentação do livro… Lo...

. Sábado às 15:30h

. Valor… Importância… Custo...

. Reflexão

. Conversas com a Alma

. Familia

. Educação

. Vultos do Espiritismo…

. Nosso Lar

. Missões no Regresso...

. Biografia do Grande Mestr...

. ALLAN KARDEC

. FREDRICH MYERS

. UM DOS GRANDES VULTOS DO ...

.Arquivos

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007