Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2010

Mediunidade e Corpo Espiritual

AURA HUMANA — Considerando-se toda célula em acção por unidade viva, qual motor microscópico, em conexão com a ensina mental, é claramente compreensível que todas as agregações celulares emitam radiações e que essas radiações se articulem, através de sinergias funcionais, a se constituírem de recursos que podemos nomear por “tecidos de força”, em torno dos corpos que as exteriorizam.

          Todos os seres vivos, por isso, dos mais rudimentares aos mais complexos se revestem de um “halo energético” que lhes corresponde à natureza.

          No homem, contudo, semelhante projecção surge profun­damente enriquecida e modificada pelos factores do pensamento contínuo que, ajustando-se às emanações do campo celular, lhe modelam, em redor da personalidade, o conhecido corpo vital ou duplo etéreo.

          Nas reentrâncias e ligações subtis desta túnica electromagnética com que o homem interage, circula o pensamento, colo­rindo-a com as vibrações e imagens de que se constitui, exi­bindo aí em primeira mão, as solicitações e os quadros que im­provisa, antes de irradiá-los no rumo dos objectos e das metas que demanda.

          Aí temos, nessa conjugação de forças físico-químicas e mentais, a Aura Humana, peculiar a cada indivíduo, interpene­trando-o, ao mesmo tempo que parece emergir dele, à maneira de campo ovóide, não obstante a feição irregular em que se con­figura, valendo por espelho sensível em que todos os estados da alma se estampam com sinais característicos e em que todas as ideias se evidenciam, plasmando telas vivas, quando perduram em vigor e semelhança como no cinematógrafo comum.

Fotosfera psíquica, entretecida em elementos dinâmicos, atende à cromática variada, segundo a onda mental que emiti­mos, retratando-nos todos os pensamentos em cores e imagens que nos respondem aos objectivos e escolhas, enobrecedores ou deprimentes.

MEDIUNIDADE INICIAL — A aura é, portanto, a nossa plataforma omnipresente em toda comunicação com as rotas alheias, antecâmara do Espírito, em todas as nossas actividades de intercâmbio com a vida que nos rodeia, através da qual so­mos vistos e examinados pelas Inteligências Superiores, senti­dos e reconhecidos pelos nossos afins, e temidos e hostilizados ou amados e auxiliados pelos irmãos que caminham em posição inferior à nossa ou por caminhos bem diferentes.

Isto porque exteriorizamos, de maneira invariável, o re­flexo de nós mesmos, nos contactos de pensamento a pensamen­to, sem necessidade das palavras para as simpatias ou repulsões fundamentais.

É por essa couraça vibratória, espécie de carapaça fluídi­ca, em que cada consciência constrói o seu ninho ideal, que co­meçaram todos os serviços da mediunidade na Terra, conside­rando-se a mediunidade como atributo do homem encarnado para corresponder-se com os homens libertos do seu corpo físico.

Essa obra de permuta, no entanto, foi iniciada no mundo sem qualquer direcção consciente, porque, pela natural apresen­tação da própria aura, os homens melhores atraíram para si os Espíritos humanos melhorados, cujo coração generoso se volta­va, compadecido, para a esfera terrena, auxiliando os compa­nheiros da retaguarda, e os homens rebeldes à Lei Divina alicia­ram a companhia de entidades da mesma classe, transformando-se em pontos de contacto entre o bem e o mal ou entre a Luz e a Sombra que se digladiam na própria Terra.

Pelas ondas de pensamento que se enovelam umas nas outras, segundo a combinação de frequência e trajecto, nature­za e objectivo, encontraram-se as mentes semelhantes entre si, formando núcleos de progresso em que homens nobres assimilaram as correntes mentais dos Espíritos Superiores, para gerar trabalho edificante e educativo, ou originando processos vários de simbiose em que almas estacionárias se enquistaram mutuamente, desafiando debalde os imperativos da evolução e estabe­lecendo obsessões lamentáveis, a se elastecerem sempre novas, nas teias do crime ou na etiologia complexa das enfermidades mentais.

A intuição foi, por esse motivo, o sistema inicial de inter­câmbio, facilitando a comunhão das criaturas, mesmo a distân­cia, para transmitir no trabalho subtil da telecomunicação, nesse ou naquele domínio do sentimento e da ideia, por intermédio de remoinhos mensuráveis de força mental, assim como na actualidade o remoinho electrónico infunde em aparelhos especiais a voz ou a figura de pessoas ausentes, em comunicação recíproca na radiotelefonia e na televisão.

Evolução em dois mundos.

Saudações Reikianas

NAMASTÉ

Publicado por Viktor às 12:08
Link | Comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

Trocas Energéticas

Diariamente trocamos ideias, pensamentos, contactos e olhares com outras pessoas, numa interactividade energética constante. Quer vocês acreditem ou não, somos corpos energéticos e mantemos intercâmbios constantes de energia uns com os outros.

Além disso a energia de cada um é diferente e não se manifesta da mesma forma ao longo de toda a nossa vida. Sofre mutações consoante algumas mudanças provocadas nos nossos estados emocionais (alegria/tristeza/amor), mentais (preocupado/tranquilo) e espirituais (contratos/guias). Assim sendo, devemo-nos pautar por uma conduta positiva de Amor Incondicional e Partilha com o nosso semelhante, para que essas energias tenham uma vibração suave, doce e relaxante que actuem profundamente ao nível microscópico celular.

Certamente algum dia, estando vocês bem dispostos, chegaram a um determinado local ou tiveram um encontro com uma certa pessoa que, além de algum mau estar criado parece que vos sugou a energia deixando-vos cansados! Uma coisa vos digo, isso pode acontecer. E porque acontece? Acontece porque a pessoa que vos provocou essa interactividade energética encontra-se energeticamente carente e nesse caso se vocês forem Reikianos, perguntem à pessoa se está bem e facultem-lhe alguma energia por vocês canalizada, pois além de ajudarem a pessoa, estão a impedir que a mesma vos “saque” a vossa energia.

Por isso queridos Reikianos, vamos canalizar as nossas energias e pensamentos para o bem-estar comum supremo universal, para que assim a nossa luz energética seja cada vez mais intensa, irradiando feixes de luz energética para todos aqueles que de alguma forma estabelecem contacto connosco (visual, verbal, físico).

Saudações Reikianas

NAMASTÉ

Publicado por Viktor às 14:44
Link | Comentar | favorito
::: GUESTBOOK :::

.Autor do Livro "Partilhas de um Ser"

.Eu

.Local/Contacto:

«Albufeira, Estremoz e Guarda». Cursos, Palestras, Partilhas & Workshop's. Tlm: 962856134 mail: mestreviktor@gmail.com Fundador do Projecto Social "REIsocialKI®" & Autor do Livro: "Partilhas de um Ser" - APR

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.subscrever feeds

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.LINKs

.posts recentes

. Mediunidade e Corpo Espir...

. Trocas Energéticas

.Arquivos

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007