.Já em Agenda

*Cursos de Reiki e Karuna de Todos os níveis*-*Workshop's de Técnicas de Reiki*
Quarta-feira, 17 de Março de 2010

Templos de Luz

Eles estão situados no Cinturão Etéreo acima da Atmosfera da Terra. A Radiação emana deste Cinturão para a Terra através de vossa atmosfera. O Cinturão Etéreo ao redor da Terra é muito diferente do que está ao redor de Vénus. Vénus está dentro do Cinturão Etéreo do Sol enquanto a Terra está mais abaixo dele.

Advertência: Não deis reconhecimento a nada que seja uma ferramenta para a força sinistra. Simplesmente pensai que: "Somente existe a presença "EU SOU, Inteligência, Luz e Poder actuando". A vós não concerne nenhuma actividade pessoal, de nenhuma espécie, em nenhum momento. A actividade do estudante é ver a Perfeição, senti-la e sê-la, não importa qual seja a aparência humana.

Saint Germain

Saudações Reikianas

NAMASTÉ

Publicado por Viktor às 14:52
Link | Comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Julho de 2007

Amor e Liberdade - Valores inseparáveis !

" Falar de Vénus é falar do Amor, é falar da Vida. É falar da aprendizagem do amor, na Vida.

Sempre muito se diz sobre o amor. Amor como algo desejado, plenitude, felicidade maior, infelicidade : amor como dor, drama a ser vivido...

No entanto, poucos sabem do amor. Do amor como frequência mais " alta ", como vibração unitária do mundo, a " Nota chave " do Universo.

Não se nasce a saber amar. Todos necessitamos de actualizar a sua aprendizagem. É a nossa Humana condição.

Amar é um alto nível de consciência atingido, através de um lento e doloroso processo de ascenção...

Não se pode falar de Vénus sem Marte, Marte identifica-se com o desejo. Numa primeira fase, Marte é irracional, enquanto desejo instintivo e onde há desejo, há sempre uma insatisfação que o origina. Pode dizer-se que Marte é " filho das Trevas ".

Vénus é o dia que Marte encontra, se encontra. Vénus é a primeira luz, nas Trevas do nosso Ser interno, a primeira emoção da unidade.

O desejo sempre anima o Amor-a-dois. Vénus não pode dissociar-se da força obsessiva e obscura que Marte activa. Vénus é o acréscimo de Vida que Marte deseja. É o que " falta " a Marte, e lhe estimula a afirmação.

As personalidades, numa etapa menos evoluída, sempre teimam em confundir Amor com desejo. Chamam Amor a todas as formas de projecção psíquica, por carência ou insatisfação. Confunde a abundância de Vida que é o Amor, com o grande vazio interior.

Cumprir o nosso projecto sobre a Terra é viver este " drama emocional ", aceitar a violência das suas contradições, até sermos capazes de encontrar uma nova e regenerada condição.

Vénus-Marte para isso nos encaminham. Temos de viver o que a Vida nos traz como experiência, o que atraímos por ressonância. Tudo o que nos pertence como experiência, há que ser plenamente vivenciado. Ilusões e desilusões, Uniões e desuniões, lágrimas e momentos de plenitude. 

Para que além de todas as tristezas e alegrias, projecções, entusiasmos, expectativas e sofrimentos através dos quais o Tempo nos conduz, possamos progressivamente um dia encontrar o que não ilude nem desilude.

A dimensão inteligente de Vénus vai-se tornando progressivamente mais inteligente. Ou seja, vai-se " emancipando " da carga irracional do desejo instintivo. Vai " subindo " em subtileza e Liberdade.

O que infelizmente se verifica nos Tempos de hoje é que a maioria das pessoas vive Marte sem Vénus, o desejo sem Amor.

As pessoas elegem porque desejam não porque valorizam. Chamam isso de " Amor ".

Muitas vezes existe a necessidade de possuir e controlar o outro, de quem esperamos o " mais " que a Vida nos oferece. O outro, nas mãos de quem depomos a nossa Liberdade e o nosso Poder, esse outro, que ilusoriamente identificamos com segurança e felicidade.

Obviamente, isso é um grande equívoco. Equívoco que se paga a alto preço, o preço a que vulgarmente se chama dor-de-amor !

Ninguém pode preencher, a não ser provisória e aparentemente, o nosso " vazio interior ". Não temos como manter a segurança nos relacionamentos. Ninguém " segura " nada, porque não tem por onde segurar...

Quando duas pessoas se separam, deviam saber não " dramatizar ". A separação consiste apenas em " criar espaço ". " Espaço de respiração " que permita a cada um viver outras experiências, adquirir mais Liberdade e autonomia para melhor se conhecer e encontrar. Nestes casos, ao contrário do que é comum, deveria haver grande respeito e mútuo agradecimento por esta oportunidade de Vida nova.

Não é dizer : " Ah, eu enganei-me naquela relação. " Eu não me enganei em relação nenhuma, vivi exactamente a relação que tinha de viver. Justo aquela relação e não outra qualquer.

Todas as relações de amor a dois tendem para a Liberdade. Para a Liberdade partilhada, a Liberdade-em-comum.

Liberdade onde já não há dependência recíproca, onde já não há " medo de perder " ninguém, onde já não há necessidade de " manipular psiquicamente " o outro, para que ele me dê a segurança emocional que preciso, e que me acho no " direito de exigir " que ele me dê...onde há medo não há amor.

A ideia de que resolvo o meu " vazio existencial " através de alguém que julgo amar é uma ilusão. Ainda por cima violentando esse alguém. Agredindo-o, fazendo-lhe o que vulgarmente se chama " cenas ". Obrigando-o a ser o que não é, para que eu possa ser o que não sou.

Entender este equívoco, tão comum nas relações ditas amorosas, é perceber como devemos enfrentar os nossos medos. Para que os relacionamentos já não nasçam do medo, da Solidão. Só assim eles podem ser perenes e traduzir o bem-estar da verdadeira comunicação.

Tenho primeiro que me absolver, que " limpar " algum sentimento de culpa que trago do Passado. Até me aceitar incondicionalmente. Até voltar a ser receptiva e vulnerável. Só assim o Amor é possível.

No momento em que for capaz de dar, dar fisicamente, emocionalmente ou espiritualmente aos outros, no momento em que for capaz de acrescentar " mais Vida " a alguém, nesse momento, não estou mais só, nunca mais.

Neste sentido, o Amor é o encontro do Ser consigo, através do outro a quem ama. Se eu souber pôr-me em causa, se aceitar aprender, não irei mais cometer o mesmo equívoco, e projectar-me pelas mesmas razões. Já vou querer outra coisa, de outra maneira.

Se eu não percebi o porquê do desentendimento, então vou atrair uma outra pessoa, pelas mesmas razões que atraí na experiência anterior.

Então, repete-se o mesmo " filme ", filme que me faz viver exactamente o mesmo tipo de desencontro que forçosamente irá " acabar " exactamente da mesma maneira.

É necessário: Aprendermos a dar e receber, sem cobrar o prazer de partilhar quem somos, a dar e receber sem exigir coisa alguma. Aí, vibramos na verdadeira energia do Amor. Identificamo-nos com a qualidade de Vénus. Libertamo-nos do condicionalismo de Marte. Aprendemos uma lição-de-amor.

 

Maria Flávia de Monsaraz

in " Vénus - o gérmen da vida, da forma e do Amor "

 

Célia Casaca

Publicado por Viktor às 17:27
Link | Comentar | ver comentários (2) | favorito
::: GUESTBOOK :::

.Autor do Livro "Partilhas de um Ser"

.Eu

.Local/Contacto:

«Albufeira, Estremoz e Guarda». Cursos, Palestras, Partilhas & Workshop's. Tlm: 962856134 mail: mestreviktor@gmail.com Fundador do Projecto Social "REIsocialKI®" & Autor do Livro: "Partilhas de um Ser" - APR

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.subscrever feeds

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.LINKs

.posts recentes

. Templos de Luz

. Amor e Liberdade - Valore...

.Arquivos

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007